terça-feira, 7 de abril de 2015

A FINGIR DE PÁSSAROS



                                        publicado no PRESOS A UM SOPRO DE VENTO



A minha escarpa
tem uma janela
escancarada para o mar

mesmo por sobre
barcos de passagem
latidos de cães
e metáforas

Neste sítio fustigado
onde nidificam
ventos e relâmpagos
ouvi um grito
em carne viva
mais real que os verdadeiros

soltei-o
e as palavras voaram
a fingir de pássaros



Eufrázio Filipe


24 comentários:

Elvira Carvalho disse...

E as palavras voaram
a fingir de pássaros.

Muito bom.
Um abraço

vendedor de ilusão disse...

Poesia expressiva, assim como é o voo dos pássaros.






Jane Gatti de Campos disse...

Palavras que voam constroem Poesia. Abraços, boa semana.

Tristan Reveur disse...

passei por aqui
não somos belos e malditos
estamos noutro sítio

assim teve de ser...
bom dia
não sei dizer poesia
como tu.
kiss

Silenciosamente ouvindo... disse...

E os pássaros conseguem uma
liberdade que por vezes nos
faz falta.
Um abraço amigo.
Irene Alves

Marta Vinhais disse...

Estão livres e voam no Vento....
Lindo...
Beijos e abraços
Marta

Almma disse...

Que voo lindo...

Ana Tapadas disse...

Expressivos pássaros que não temem...

Bjs

jrd disse...

Quando o grito se solta as palavras voam livres.

Um abraço

Lucy Mara Mansanaris disse...

Forte e lindo, parabéns pelo labor.

Agostinho disse...

Felizardo aquele que tem
Que tem uma escarpa assim
De onde em exercícios de
Primeva liberdade
Solta salta grita
Voos de infinito.

Majo disse...

~
~ ~ ~ Um indubitável grito libertador...

~ As palavras partiram em súbita debandada,
mas voltaram e, doces, deram forma a um poema,
único, raro...
~ A fingir de pássaros...

~~~Bj.~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
~ ~ ~

© Piedade Araújo Sol disse...

os pássaros devem ter tido um voo gracioso e inimitável.

bom fim de semana.

beijo

:)

Janita disse...

Quisera ter a sua capacidade de saber soltar um grito, que levasse em voo, até ao infinito, um bando de palavras vivas, aladas e mareadas.

Mas, Deus não quis!...

Beijos

heretico disse...

pássaros que ousam o voo ...
no sopro do vento.

forte abraço Poeta.

Graça Pires disse...

Do cimo da escarpa as palavras possuem o fascínio de ter asas...
Um beijo, meu amigo.

tb disse...

Há palavras que possuem asas e voam. Como estas aqui. :)
abraço amigo.

Fê blue bird disse...

Mesmo nos sítios mais inóspitos as palavras voam livres.
Lindo como sempre!
beijinho

Ailime disse...

Lindo!
E as palavras voam livres como os pássaros!
Beijinhos,
Ailime

Olinda Melo disse...


Já tive uma janela assim que dava para o mar. De noite o bramido das ondas. De dia os pássaros esvoaçavam irrequietos e eu pensava: hoje vai fazer vento na certa. Via ao longe o ilhéu dos pássaros e esperava ansiosamente o dia azado em que pudesse navegar para além dele.

Abraço

Olinda

GarçaReal disse...


As palavras quando belas também voam como o belo voo dos pássaros.

Bjgrande do Lago

Andrea Liette disse...

Existe sempre uma entrega em cada poema que me parece liberta num sopro de vento. Lindo.Um beijo.

EU disse...

Ajudar a voar, é suprema dádiva...
Belo!
Bjo, Filipe :)

Ailime disse...

E assim se liberta a poesia!
Muito belo!
Beijinhos,
Ailime