sábado, 15 de novembro de 2014

NO CORAÇÃO DAS PEDRAS HÁ PÁSSAROS EM RISTE



                                                                               publicado no "Presos a um sopro de vento"
                                                                                         POÉTICA EDIÇÕES



Quando chegaste
sangravas de uma asa
menina dos meus olhos
pátria efémera
a rasgar palavras
despida de tudo

regressaste ao concerto
dos meus silêncios preferidos
vestiste a cal de branco
num véu de noiva
e escreveste uma frase
trinada nas paredes da casa
que ainda hoje conservo

no coração das pedras
há pássaros em riste



25 comentários:

Majo disse...

~
~ ~ ~ B e l í s s i m o ! ~ ~ ~



Rogerio G. V. Pereira disse...

Já o Manoel dizia

"Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós."

E, neste teu poema,
a importância
é tanta

Olinda Melo disse...


A sangrar de uma asa e despida de tudo.
Expressões que nos fazem pensar de imediato num ser frágil sujeito a sofrimento. Talvez assim nos sintamos às vezes, neste mundo entregue a poderosos. O poema traz a cadência metafórica a que já nos habituou e que tanto aprecio.

Obrigada, caro Mar.

Olinda

AFRODITE disse...


Tristes os que têm pedras no lugar do coração...

deep disse...

Muito, muito bonito. :)

Bom fim-de-semana.

Bj

Teresa Almeida disse...

Um concerto de trinados sedutores!

Mel de Carvalho disse...

sempre uma poética irrepreensível, uma leveza de palavras e uma grandiosidade de mensagem.


Fraterno abraço

Lilá(s) disse...

São belos versos!
"poetas são os que escrevem poemas..."
Bjs

heretico disse...

poema fulgurante, como um pássaro em riste...

belíssimo

forte abraço meu irmão, Poeta maior

Agostinho disse...

Poema luminoso, claro,
claro como a cal
derramada nas feridas,
saradas na esperança,
de crescer a pátria.

Graça Pires disse...

Um belíssimo poema. Com asas e muita luz. Com palavras e silêncios...
Um beijo.

GarçaReal disse...


Uma chegada em fragilidade....Quem não tem momentos destes?

Belo poema....Dá que pensar.

Bom domingo

Bjgrande do Lago

Nidja Andrade disse...

Algumas coisas vem pra nós de presente... Pena que sejamos tão ingratos que não valorizamos qdo elas acontecem... bjs

jrd disse...

E espera porque sabe bem que os teus pássaros, feitos poemas, vão continuar a cantar para ela.

Abraço fraterno Poeta

S. disse...

Chegar ao coração das pedras não é para qualquer um...

Sua poesia é simplesmente maravilhosa, Mar.

trepadeira disse...

Gosto das pedras com coração, pois, como arma de arremesso.

Abraço,

mário

poesia de vieira calado disse...

Bem bom, este poema!

Saudações poéticas!

Sónia M. disse...

Belíssimo!

Ana Tapadas disse...

Belo poema, com pássaros dentro, capaz de nos levar nesta travessia!

Beijo

Ailime disse...

Um poema magnifico que dá que pensar, muito!
Beijinhos,
Ailime

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, por morrer uma andorinha não acaba a primavera, é o mesmo. ao sangrar de uma asa a vida não para, obrigado pela partilha.
AG

Justine disse...

Pássaros ou armas - às vezes é o mesmo!

EU disse...

Parece que todos temos algo a sangrar...
Sempre me encantam as tuas metáforas. Este poema não é exceção.
Belo!
Bjo, Mar :)

AC disse...

Apesar de tudo, continua a haver lastro. É o que nos move.

Abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

eu acho mas posso estar enganada(tenho quase a certeza) que já tinha lido este poema.

mas é sempre bom re-ler poesia desta qualidade.

muito bom

:)