segunda-feira, 7 de abril de 2014

FLOR DE ABRIL



                                                            publicado no meu "chão de claridades"
                                                                                                     (reconstruído)

 
                                      


Hoje vi com os meus olhos
uma santa mulher
asfixiar um pássaro
nas mãos
só para desenhar no chão
a dor que sentimos

chamei-a
para deixar nas areias
um beijo côncavo
até a memória arder
os últimos barcos
as algas discernirem
de olhos abertos
todos os ritmos das marés

chamei-a
para esgrimir contra
a invenção dos destinos
erguer o seu corpo
de grânulos
e recolher todos os beijos disponíveis

chamei-a
para acordar o sono deste chão
libertar os pássaros

Hoje vi uma mulher
amada
esculpida na praia

a despontar na areia
inacabada
flor de Abril



 

37 comentários:

Pérola disse...

Uma mulher chamada Liberdade,será?

Beijo

Maria Eu disse...

Que possam levantar-se todas as mulheres e, com elas, todos os homens, em Abril!

Beijinhos Marianos, MA! :)

Rogerio G. V. Pereira disse...

Mobilizei,
algas
ondas
pássaros
marés
sargaços
barcos
olhos
areias
marés
e essa mulher
e as que atrás
dela vieram
e
mais
os homens delas
e também os filhos
e também os pais

Agora diz-nos, poeta
onde queres a flor de Abril

Laura Santos disse...

Os pássaros regressaram, mas o chão que deveria ter desabrochado continua adormecido.
Abril começa a tornar-se um mês nostálgico...
xx

Mar Arável disse...

ROGÉRIO

pelo menos na lapela do teu contrário

trepadeira disse...

Vamos acabá-la semeando um Abril novo.

Abraço,

mário

Graça Pires disse...

"Aqui, onde o coração reclama uma pátria melhor" leio este poema que faz estremecer...
Um beijo, amigo.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Inacabada flor de Abril...

Pois nunca esteve acabada...

Morreu quase antes de nascer.

Temos que a recriar.

Bj.
Irene Alves

ana disse...

Mar Arável,
Muito poderoso e certeiro.
Parabéns. :))
Abraço.

Lídia Borges disse...


Há imagens que se elevam acima de qualquer verso.
Ao leitor cabe deixar-se inebriar nas sensações sugeridos.


Um beijo

jrd disse...

A inacabada flor de Abril será Mulher inteira, um dia, em Maio.

Abraço

Armando Sena disse...

Várias metáforas de um sentimento chamado liberdade.

Lilá(s) disse...

Essa flor, aliás essa foto é do meu amigo Victor Reis, tem até 13 de Abril uma exposição de fotografia na Charneca da Caparica...
Quanto ao poema, é preciso um Abril novo...
Bjs

EU disse...

Em todo o poema ressaltam as metáforas (originais) em que a opressão, que toma agora uma outra face, se faz sentir num quotidiano demasiado passivo. Relevante também que seja uma mulher a ser identificada com a liberdade coartada...
Um poema "inacabado", enquanto não se alterar este estado de coisas.
Saboreei...
Bjo, Mar (de) :):)

Olinda Melo disse...


Poema perturbador, desde os primeiros versos, com a imagem da mulher indicando um caminho pejado de abrolhos. A redenção, poderemos encontrá-la no fim e merecê-la, percorrendo em consciência todos os recortes da flor inacabada.

Abraço.

Olinda

Maria João Brito de Sousa disse...

Inacabada, mas bela! Tão bela!


Abraço, Mar Arável!

© Piedade Araújo Sol disse...

a metáfora a esconder ou a definir a Liberdade....

:)

Menina Marota disse...

Dizia hoje, algures por aí, que a sombra de Abril é grande mas tomou um rumo bem diferente.

Que a flor de Abril não seja só para trazer na lapela...

Um abraço e feliz Páscoa.

heretico disse...

uma Mulher de Vermelho - com bálsamo nos dedos e trigo maduro no olhos...

... e punho erguido.

abraço fraterno, Poeta de Abril.

abraços

Ana Tapadas disse...

Tomara que assim fora! Mas se o Poeta viu...assim será.

Beijinho

carlos pereira disse...

Hoje, vi um povo que se esqueceu de gritar ABRIL; só o poeta não esqueceu.
Abraço.

manuela baptista disse...

a memória arde,


é essa a sua condição

um abraço

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde,
que a flor de Abril tome o rume certo, que faça desaparecer o bicho ruim que quer acabar com a linda flor, que nos torne a dar a esperança de Abril.
Abraço
ag
Boa tarde,
A Sylvia Kristel é inesquecível para sua enorme beleza, poucos dias atrás assisti a um filme com ela, sempre fui um apaixonado por ela, confessei-me.
Dia feliz
ag

http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Cristina Cebola disse...

Que os pássaros continuem a voar...
para que o sorriso dessa mulher nunca se dissipe...
Abraço

Janita disse...

cravos viçosos
vermelhos, ardentes
já desfolhados
dispersos doentes
voaram sementes
que não germinam
sozinhas
na areia molhada
nem nas dunas
vazias de espuma
gaivotas
moribundas
sem força
para voar
quando tanto
se precisa lutar.

Um cravo vermelho
jamais
desiste
sem a vitória
alcançar.

Tétisq disse...

ainda há muitos pássaros...

Agostinho disse...

Pois que se chamem todos
todos e mais alguns e
os outros a dormir
que esqueceram a flor
que perfumou Abril

Anónimo disse...

Tive assim como sempre tenho vontade de ler todos os comentários aqui, mas, hoje acordei com vontade de te dizer bom dia! E que linda flor.

Anna disse...

A flor de Abril é imortal... Tem sangue de vento. E não há morte para o vento...
Bom fim de semana, Eufrázio :)

Um beijo

Sónia M. disse...

Ainda há dias o meu avô (90 anos) ao telefone me dizia, "Foi tanto. E ainda tive tempo de ver, que o que foi tudo, agora, se parece a nada..."

Beijo


Suzete Brainer disse...

A liberdade se inscreve

na beleza do voo(Ser)

construindo um

caminhar(história)...

Sempre belo o voo do Poeta!!

Bj.

MARILENE disse...

Talvez o sono não seja do chão, eis que este não conhece o significado do voo e sequer da ansiada liberdade. Que a memória torne forte o perfume de Abril e que ele impulsione o bater de asas de todos os pássaros. Abraço.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Que se cumpra Portugal e que Abril renasça das cinzas.


Um beijinho
Sonhadora

A. disse...

Por muito que custe a muita gente, Abril não tem culpa por fazerem dele um "Abril" à força. De igual modo, os cravos, também eles levados à força para a frente da revolução, são inocentes!...
Não gosto de símbolos e gosto, ou não, de pessoas, quando estas se mantêm fieis à defesa de um Povo com suas gentes e direitos, até ao fim da Vida. Ou não... quando enchem a barriga no bem-bom da conquista que vai acabando por comer-lhes a memória, o orgulho e a vontade solidária!...
Na verdade, estou a vazio de comemorações neste miserável 25.Abr.2014.
E, se os "lateiros" tivessem vergonha, olhavam-se no espelho do Povo, desse Povo do qual todos eles também se aproveitaram... em silêncio e bem refastelados!...
Precisamos de outro mês revolucionário, mas, Abril nunca mais!...

Abraço

Ailime disse...

Lindo! Flor de Abril que vi ao vivo no Carmo em Abril de 74. Bj. Ailime

Teresa Almeida disse...

Um Abril de contornos movediços,
"inacabada flor de Abril".

Original e belo poema!

George Sand disse...

Inacabado. Mas começado. Não nos podemos esquecer disso.
Bonito poema.