terça-feira, 7 de janeiro de 2014

A NOSSA ROMÃ ( 10 )






Inexplicável desafio transpor uma parede de mar num barco de papel - navegar por amor passo a passo - avançar, recuar e poisar no cais da utopia, onde só alguns ousam inscrever rotas e nomes de baptismo a céu aberto.
Já tinham anunciado a morte do pomar, como se existisse morte ou princípio - mas quando revivemos um concerto silvestre, começámos a desenhar na palma das mãos, a velha Taprobana - e só tínhamos que fazer o que fizemos.
Subimos às gáveas , contámos os náufragos que não deixámos morrer, até o Dique num rasgo de lucidez soltar os pássaros.
Desembarcámos contra a indiferença e os textos apócrifos - soprámos o pó do tempo com a ajuda de um relâmpago que irrompeu por uma nesga de sonho - atravessámos pontes frágeis de cristal, mais fortes que o seu brilho - ficámos assim num abraço, improváveis nas palavras.
É verdade. Alguns rios galgaram as margens, o mar lindo desgrenhado subiu à nossa escarpa - mas só para te ver renascida das cinzas, a tirar da boca e a lançar ao vento bagos de romã.


 

31 comentários:

jrd disse...

Belas palavras que o vento leva e trás e que vão permanecer como metáforas indeléveis no Tempo.
Abraço irmão

JP disse...

Por vezes o mar não é tão lindo assim...

Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Se em plena invernia, teus versos me soam assim
não te quero faltar
quando Abril chegar

(lindo, isto)

Cristina Cebola disse...

Uma nova Fenix se alevanta...erguendo o mundo, aos mais altos sonhos...

Abraço e boa semana!

Pérola disse...

Que aventura e tanto...por uns bagos de romã.

Fiquei encantada.

Beijo

Ana Tapadas disse...

Escreve, mesmo, muito bem! (Desta falo profissionalmente.)

Gosto muito do pintor que escolheu (Rafal Olbinski).

Beijo

O tempo das maçãs disse...

Uma história com final feliz...

Sempre belo.

Beijo.

Laura Santos disse...

Tal como é possível atravessar pontes de cristal, também é possível transpor uma parede de mar num barco de papel. A poesia torna possível.
Novamente um texto belíssimo!
xx

Arco-Íris de Frida disse...

Navegar por amor passo a passo... em um barco de papel? poucos conseguem transpor... so mesmo por bagos de romã...

Beijos...

Sónia M. disse...

Belíssimo!!

Tudo por um abraço

deixo o meu.

© Piedade Araújo Sol disse...

belas palavras (abraçadas)...

:)

Suzete Brainer disse...

No espaço do inexplicável,

a beleza se renova,

voo a voo pelas

esferas do sonho...

Mais uma leitura encantada!

Ailime disse...

E como essas pontes são tão frágeis e os sonhos são abalados como neve a derreter-se no chão. Mas há que acreditar que depois das tempestades belas e doces romãs resssurgirão;))! Bj Ailime

Vieira Calado disse...

Desejo-lhe um bom ano, Meu caro!
Um abraço!

OceanoAzul.Sonhos disse...

Excelente...!

Bom Ano
Abraço
cecilia

heretico disse...

bago a bago. a inventar relâmpagos e pomares...

... nas ondas desgrenhadas da vida!

bela tua escarpa.

abraço, meu irmão.

Bandys disse...

Que lindo!

Abraços meus daqui

MAR disse...

La cuerda floja de la vida, siempre buscando el equilibrio.
Un abrazo grande para ti y lo mejor para tu vida.
mar

Luis lourenço disse...


Vim conferir a sua excelente postagem
e desejar-lhe um 2014 com saúde, paz, amor e solidariedade.

abraço, poeta.

Mel de Carvalho disse...

Eufrázio,

ainda que depois de Reis, aqui lhe deixo o registo do meu agradecimento pelas leituras/reflexões que nos proporciona (sempre de elevada qualidade), e o desejo de que 2014 seja um ano de Paz, Harmonia, Tranquilidade.

Fraterno abraço
Mel

Teresa Alves disse...

E, aproximar as margens e atravessar o abismo parece valer a pena, e a tinta.


Bom ano.

Catarina disse...

Metáforas bem construídas.
Abraço
: )

Armando Sena disse...

Afinal um desafio que parecia impossível de concretizar, tornou-se num objetivo conseguido.
Assim é a poesia, assim podia ser a vida.

Lídia Borges disse...



Suspensos nas imagens, num colorido à mercê do leitor.

Por mim, rubras as sementes, em chão inóspito!

Obrigada

Canto da Boca disse...

Atravessar os mares, subir escarpas e colher romãs, não é para toda gente, apenas para aqueles que são feitos de utopias, muita coragem e fé. Belo texto!

Beijo!

;))



Graça Pires disse...

Já tinha saudades de ler estes seus belos textos.
Beijos.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Poeta

Como sempre as palavras faltam-me para descrever o que senti. Sublime sempre.
Votos de um 2014 cheio de paz e amor( pelo menos que não nos tirem isso).

Um beijinho
Sonhadora

manuela baptista disse...

valeram as penas


um abraço

ana disse...

Uma imagem bem escolhida para a aliança perfeita com o seu poema.
Têm sido uns cantos que merecem páginas meramente para eles. :))
Abraço!

GL disse...

Ai de nós, quando o sonho deixar de comandar a vida, contra ventos e marés.

Abraço.

Olinda Melo disse...


Das 10 Romãs aqui trazidas, qual delas a melhor! Difícil escolher, se tivesse de escolher e ainda bem que não tenho de o fazer, porque as quero todas na minha romãzeira, num pomar de encantamento.
Para além de tudo o que as suas irmãs nos trouxeram, esta Romã número 1O traz-nos perspectivas incríveis, rumos e rotas, navegando em barcos de papel e travessar paredes de mar incólumes...e tantas tantas outras aventuras.
E tenho de parar por aqui, porque o blogger está a boicotar este meu comentário está sempre a dizer-me para desactivar as páginas...Nem sei se ele me deixa publicar. A ver vamos.

Abraço e obrigada.

Olinda