quarta-feira, 27 de novembro de 2013

A NOSSA ROMÃ ( 6 )






Por tempo indeterminado, em chama, sem perder o sentido do voo, mais leves que as cinzas descobrimos um acesso - e foi por aí que rasgámos fronteiras, o teu corpo de pátria amovível.
Nós sabíamos que não basta ter razão para voar, construir sonhos com paus de fósforo - mas também sabíamos que por uma nesga de sol alumiávamos espaços desconhecidos, arestas de vento.
Foi por aí que navegámos por sobre as pedras contra o culto das personalidades, para evitar a profanação das metáforas.
Nós sabíamos despertar luas-cheias, vivificar os olhos dos peixes, tocar sinos a rebate e dar gritos na boca das sementes.

Alguém nos perguntou - a floresta, a árvore ou o galho? - e nós respondemos - a vida inteira.

Foi assim a pelejar contra Alísios e Adamastores que exultámos a Taprobana.
É verdade. Com águas nem sempres de feição, correntes de ar a invadirem portas e janelas até aos porões - o nosso mais íntimo da pele - sem nunca permitirmos a falta de um bago de romã no mastro mais alto da vida.
Foi assim andarilhos que discernimos as gáveas na rota das aves.

Quando pensámos ter chegado - limitei-me a olhar os teus olhos no espelho. E já foi tanto.


 

29 comentários:

oasis dossonhos disse...

As tuas palavras surpreendem sempre, na reinvenção da língua!
Abraço
Luís

Arco-Íris de Frida disse...

Nós sabíamos que não basta ter razão para voar

Fiquei pensando... é preciso o que para voar? eu gostaria de saber...

Mar Arável disse...

ARCO -ÍRIS

Não creio mas acredito
que são precisas asas
em bandos alargados

Sônia Brandão disse...

Há tempos não passava por aqui.
Pude agora sentir por seis vezes o sabor delicioso da romã.

bjs

lis disse...

Uma romã sufocada, querendo sair ...
e se saímos voamos _se temos um céu sempre azul , um sol manso, campos fofos e verdinhos, mar calmo, a graça a delicadeza e braços que nos acolha_ Se possível 'sem perder o sentido do voo'.
andarilhos somos Eufrázio,
gosto dessa prosa .
desculpe o devaneio ,rs
abraços

Lídia Borges disse...


Os regressos são tão só pontos de novas partidas. Assim nos revelou Ulisses.

Um beijo

O tempo das maçãs disse...

Talvez porque desbravar os caminhos seja mais importante que chegar... mas, penso eu, é preciso algum motivo.

Sónia M. disse...

Ao chegar ao numero 6,
apeteceu regressar ao inicio,
voltar a chegar e

"limitei-me a olhar os teus olhos no espelho. E já foi tanto."

Beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

e se o espelho reflectiu os olhos (outros) então, tudo valeu a pena...

:)

Laura Santos disse...

Todo o ser para voar, mais do que as asas, precisa de manter o espírito leve.
Sempre textos maravilhosos!
xx

Mel de Carvalho disse...

leio com enorme agrado cada uma destas romãs, dedilhando as palavras como bagos. encontro nelas uma crença no poder do voo contra as muralhas da indiferença. uma determinação indelével num mundo melhor.

gostei muito, Eufrázio.
abraço daqui

jrd disse...

Assim andarilhos cantámos em peregrinação e continuamos...

Muito bom!
Abraço

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Tendo como mote, a romã, cuja simbologia é tão forte, e positiva, tem construido narrativas e remisturado sentimentos vários que vão dar a um só.

Que se reinvente o mundo!

Boa semana!

Cadinho RoCo disse...

Existe momento que não exige mais que puro e simples olhar.
Cadinho RoCo

Arco-Íris de Frida disse...

Entao ando precisando criar asas...

Armando Sena disse...

A poesia, a liberdade suprema, que vive de interpretações. E tantas e tão diversas pode ter este excelente texto.

Agulheta disse...

Olá amigo! É neste andar de teimar,remar contra a maré que vamos todos lutando,sempre a tentar chegar ao ponto de partida,mas que a mesma seja um descanso para a alma que anda tão inquieta de tanto teimar.
Beijinho e agradeço visita.

heretico disse...

assim o amador/poeta - servido por sete anos e mais sete que sejam por olhar que baste...

excelente, meu caro Poeta

fraterno abraço

Suzete Brainer disse...

Todo o percurso

é projetado pelo olhar...

Este poeta a nos surpreender

com esse voo poético

de beleza incomum!

A imagem belíssima que

diz tanto do poema...

quem és, que fazes aqui? disse...


Gosto de cada grão desta romã. E não é só por ser nossa.

Beijinho

Ailime disse...

Amigo, fico sempre comovida quando leio esta sua série sobre a romã! Julgo entender e por esse facto o mar adentra-se-me e comprime-me o peito em ondas salpicadas por bagos de romã salgados. Bj Ailime

tb disse...

das chegadas às partidas, reflexos de olhos que sabem olhar...
belíssimas estas romãs que se colhem e saboreiam como se dedilham guitarras...
Abraço.

António Jesus Batalha disse...

É para mim uma honra acessar ao seu blog e poder ver e ler o que está a escrever é um blog simpático e aqui aprendemos, feito com carinhos e muito interesse em divulgar as suas ideias, é um blog que nos convida a ficar mais um pouco e que dá gosto vir aqui mais vezes.
Posso afirmar que gostei do que vi e li,decerto não deixarei de visitá-lo mais vezes.
Sou António Batalha.
Aproveito para lhe desejar um feliz Natal e um Ano-Novo cheio de felicidades.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se ainda não segue pode fazê-lo agora, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
Que a Paz de Jesus esteja no seu coração e no seu lar.

Luis lourenço disse...

Excelente...Poeta.

Deixo-te o meu abraço,

Véu de Maya

Virgínia C. disse...

E é sempre tanto o que levo daqui.

[A vida inteira]

Um abraço, Eufrázio

Olinda Melo disse...


Pródiga romãzeira que alimenta, que conta o rosário da nossa caminhada, do mar sulcado por velas e pelejas...e metáforas...exultando a vida inteira.

Abraço

Olinda

Cristina Cebola disse...

Como um simples reflexo, pode dar a perspectiva de uma vida...
Que as asas nunca lhe faltem e que em voo planado, atinja os mais improváveis lugares.

Deixo abraços!

manuela barroso disse...

Uma viagem onde bagos tão convidativos se transformam em sementes secas de fome.Porque a sede, essa, mata-se no vermelho belíssimo das palavras!
Abraço, E.

Joaninha Musical disse...

Lindíssimo e fantástica a tua historia!! Gostei de ler mais uma vez. Beijinhos fofinhos!!