quinta-feira, 21 de novembro de 2013

A NOSSA ROMÃ (5)






Contra natura pajem ainda sem idade para ter espada, despida de névoas, derramou-se a romãzeira - num chão de águas para cumprir sementeiras - mas foi na fímbria do mar que te vi sedutora.
As margens não sei de quê soluçavam-te os olhos mas ainda havia espaço no bairro para cantar.
Os barcos ao vento tinham largado amarras e eu disse benditos os palcos silvestres onde se representa a vida no avesso, com pássaros a céu aberto.
Quando te vi assim despida de névoas, nem proprietária nem propriedade, recordei por instantes o Dique na Taprobana que me disse - não quero ser cão de barro como me encontraste à beira da estrada, na Volta da Pedra.
Quando te vi assim despida de névoas, recordei o podador a decepar-te e a dizer-me - quer uma árvore de fruta ou só para dar sombra?
Reconheço que à vista dos olhos, não é fácil desbravar caminhos nem palavras - a menos que sejam improváveis.
Às armas, às armas meu amor.


 

26 comentários:

Rogerio G. V. Pereira disse...

Isso, caminhos improváveis
Às armas, às armas
não quero ser homem de barro
e ficar aqui parado
a ver-vos ir

Sónia M. disse...

"quer uma árvore de fruta ou só para dar sombra?"

O mais difícil é ver para lá dos olhos...

Ando encantada com esta romãzinha.

Beijo

Laura Santos disse...

Uma romanzeira, "nem propriedade nem proprietária" que ilumina um texto belíssimo e carregado de simbolismo.
Um texto maravilhoso!
xx

JP disse...

Os barcos ao vento tinham largado amarras...por isso as árvores não servirão apenas para dar sombra.

Abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

que as armas sejam bem escolhidas...

:)

jrd disse...

O Dique e a Romãzeira seguirão o teu caminho que é o deles.

GL disse...

Acreditemos na vitória, de uma e de outro.

Abraço.

quem és, que fazes aqui? disse...


Andei a ler todas as romãs. A saborear cada bago fértil de imagética e simbolismo, desbravando caminhos e palavras...

Obrigada, Mar!

Beijinho

Laura

Suzete Brainer disse...

"A vida no avesso, com

pássaros a céu aberto."

A vida seguindo em passos (voos)

de liberdade respirados

pelo o sentir...

Simplesmente genuína, na

beleza ímpar da tua poética...

Gosto imenso de ler-te!!

Lídia Borges disse...


Não, não é fácil desbravar caminhos nem palavras. Do improvável tudo se pode esperar.

Beijo

Ailime disse...

Muito belo e emocionante o seu texto! Continuemos a desbravar! Bj Ailime

Arco-Íris de Frida disse...

O que o Dique quer ser?

:.tossan© disse...

Excelente texto! Um tópico de beleza

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa noite,
Linda romãzeira despida que provoca que as amarras se larguem à procura de novos caminhos.

Abraço
ag

Ana Tapadas disse...

É um poema admirável!

Beijinho

Anna disse...

Colhi todas as romãs, levo a alma carregada de sumo doce...

Bom fim de semana, Eufrázio :)

Um beijo

O tempo das maçãs disse...

Sempre lindo o que escreve.Gosto muito.

Beijinho.

heretico disse...

na inocência das palavras libertas soltam-se todos os improváveis rumos.

até a mulher se fixar (árvore- sombra/árvore-colheita?) no olhar do podador...

muito belo, meu caro Eufrázio.

abraço fraterno

Cristina Cebola disse...

Feliz aquele que planta, sem estar à espera de saborear o fruto. Feliz aquele cujos olhos, desbravam todas as palavras, principalmente as que revestem os caminhos mais improváveis...

Deixo um abraço e vou feliz...:)

Anabela Couto Brasinha disse...

"benditos os palcos silvestres..." e essa romãzeira, e todos os outros versos.
Bonita ideia o "Reconheço que a vista dos olhos...", os olhos, essas janelas da mente, mas onde também vive o coração.
Continuação de bons escritos!

Fa menor disse...

Sejamos árvore, de sombra ou de fruto, mas façamos a nossa parte.
Cão de barro é apenas arte,
que se parte e não reparte.

Mar Arável disse...

FA
Olha que não

Maré Viva disse...

Não é fácil desbravar palavras e muito menos a vida, é mais fácil plantar em nós uma árvore que dê frutos e sombra também.
Um abraço.

Vento disse...

muito inquietantes
os gestos deste poema.

este registo de "a nossa romã", faz seguramente parte das tuas "coisas lindas", das mais lindas.

beijo.

ana disse...

Mar arável,
Estes cantos com o nome de "nossa romã" são verdadeiramente especiais.
Parabéns.

Joaninha Musical disse...

Muito interessante mais uma vez!! Até breve!! Adorei passar por aqui no teu blogue e prometo voltar mais vezes para ver mais novidades. Beijinhos e fica com deus!!