sábado, 22 de junho de 2013

ROUBEM-ME TUDO






Roubem-me tudo
os lápis de cores
as minhas flores preferidas

mas não me roubem
os olhos por onde vejo
um mar que não se verga

Roubem-me tudo
menos um verso

 

33 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

Roubem-me tudo menos o azul do mar...

:)

JP disse...

Penso que até isso nos roubam....não roubam os olhos mas roubam o mar.

Abraço

AC disse...

Esse verso é a moradia do essencial.
Muito bom!

Abraço

jrd disse...

O mar que nunca te vão roubar.

Abraço

:.tossan© disse...

A sua ótima poesia jamais alguém terá o direito de roubar, nem você... Abraço

www.amsk.org.br disse...

Que você nunca se deixe roubar.

bjs nossos

Virgínia do Carmo disse...

Há coisas que ninguém nos pode tirar... e ainda bem...

Um abraço, Eufrázio

Pata Negra disse...

Os versos ninguém me rouba porque eu escondo-os. A esperança já ma roubaram mas eu não digo nada aos meus filhos e então, eles continuam a ter esperança e, por isso, embora eu não tenha a minha esperança, tenho a esperança deles.
Um abraço sem vergas

Alexandre de Castro disse...

"Eles", como são insaciáveis, vão continuar a roubar-nos, até os nossos poemas.

trepadeira disse...

E o verso será sempre sobre"um mar que não se verga".

Abraço,
mário

quem és, que fazes aqui? disse...


Que no-lo não roubem! Porque é nele que se escreve o olhar.

Laura

Um Jeito Manso disse...

Que as forças da natureza e a resistência da alma nunca se quebrem: tem toda a razão.

Muito bonito.

Um bom domingo!

ana disse...

Excelente.
Os seus poemas mais minimalistas têm uma intensidade prodigiosa.
Parabéns!
Bj. :)

Ailime disse...

Lindo! O olhar e a poesia sempre juntos. Bj Ailime

anamar disse...

Nem o verso nem o mar pois a vida reside aí.

Bj

Lídia Borges disse...


Se a poesia resiste, que mal não terá remédio?


Um beijo

Jorge disse...

Gosto de olhar o mar que esconde muitos segredos. Ainda mais dos que estão desvendados.
SAUDAÇÕES,
J

Pérola disse...

Há coisas sem as quais não podemos viver.

Beijinho

Mateso disse...

Quem pode roubar o sentir da vida?
Ninguém!
Bj.

irene alves disse...

Roubem-me tudo menos a voz da razão...
Bj.
Irene Alves

Evanir disse...

A vida é assim, um ciclo,
uma viagem de trem e um incessante encontro e desencontro.
Quem sabe seja por isso que ela é
tão delicada e misteriosamente única e bela.
Estou feliz por Deus me permitir
estar visitando seu blog nessa viagem linda ,
onde conheço tantos amigos e (as)entro em suas casas virtual
e sou recebida com tanto carinho.
Uma feliz semana minha doce e linda amizade.
Beijos com todo carinho,,Evanir..
Sua Amizade pra mim é tudo..
Por isso sempre que puder estarei aqui no seu blog.

Nilson Barcelli disse...

Já quase nada há para ser roubado...
E o mar está chão, demasiado chão...
Um abraço.

GL disse...

Dei comigo a sorrir com este post, e que bom é sorrir!
Porquê?
Penso que é das poucas coisas que não nos podem rouba: o verso.

heretico disse...

um Mar que não verga: assim ARÁVEL!...

abraço fraterno, Poeta

Rita Freitas disse...

Que não me roubem a alma :)

Bjs

Tétisq disse...

menos os versos, muitos versos... e, muito bons ;)

Tétisq disse...

tudo menos versos lindos :)

Branca disse...

Nem o mar nem a poesia são propriedade de ninguém...
A fotografia também é magnifica e é nesse olhar que nasce toda a poesia da alma.
Em dias negros basta olhar as ondas e a força indomável da natureza, o azul das águas e os teus poemas e tudo se tarnsforma.

Beijos

Cristina Cebola disse...

Roubem-me tudo, menos a capacidade de sonhar...

Gostei muito e agradeço a visita!

Boa semana!

Canto da Boca disse...

Não espalha isso, Eufrázio, pelo andar da carruagem, terão que pagar impostos até se olharem o mar, o céu azul e nos encher de poesia!

deep disse...

Um verso pode ser tudo isso e muito mais. :)

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

"mas não me roubem
os olhos por onde vejo
um mar que não se verga

Roubem-me tudo
menos um verso"

Excelente!

Isabel disse...

Muito bonito o poema e a imagem!
(Inspirou-me uma quadra. Adoro o mar!)

Bom fim-de-semana!