quinta-feira, 16 de maio de 2013

NADA MAIS ACONTECEU





Neste belo deserto
povoado de silêncios
lábios areias e coisas lindas
quando vi os pássaros
aos molhos
num só ramo da araucária
com pausas soletradas
numa cadência exausta
de trinados e vírgulas
levantei-me da sombra
com os cães
para colocar as palavras
em ordem
nos acordes da folhagem

e nada mais aconteceu

 

29 comentários:

mariam disse...

... aconteceu chegar a nós, leitores, para nos maravilhar.

Belíssimo.

Beijinhos :)
mariam

jrd disse...

Para quê, se já de si foi tanto!

JP disse...

Aconteceu poesia, sem vírgulas mas com as palavras em ordem.

Abraço

Lídia Borges disse...


Esperava-se a floração, o fruto... Que ordem natural das palavras na folhagem se cumprisse...

Esperava-se.

Um beijo

Cristina Cebola disse...

Aconteceu, musicalidade, poesia... e um belíssimo momento!!!

Abraço!

Rogério Pereira disse...

Poeta,
Serias capaz de tal feito
nesta tenebrosa floresta
povoada de gritos?

É que é urgente que nada mais aconteça...

Maria Emilia Moreira disse...

" Nada mais aconteceu?"
Aconteceu sim senhor! A poesia aqui está com todo o seu esplendor!
Abraços.
M. Emília

deep disse...

... e muito aconteceu no poema. :)

Sónia M. disse...

Há sempre algo que acontece...

trepadeira disse...

Mesmo quando tudo parece ter acontecido algo mais acontece.

Abraço,
mário

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

gostei... mas podem as palavras colocar-se em ordem na folhagem dos poemas? ... Muto bom.

Beijo amigo

Pata Negra disse...

"Levantei-me da sombra como os cães", é poesia...
"Dirigi-me ao muro das necessidades como um cão", é porco.
Um abraço uns dias poeta, outros dias porco - hoje tive um dia cão!...

MJ FALCÃO disse...

O que aconteceu, foi bastante...
Boa noite!

Anna disse...

Como sempre Eufrázio, aqui a poesia acontece...!

Um beijo

marlene edir severino disse...

Tanta poesia
aconteceu...

E que bela imagem!

Abraço, poeta!

Canto da Boca disse...

E precisava, Eufrázio? A poesia já nasceu!

;))

manuela baptista disse...

bonitos,

são os pássaros aos molhos

Sandra Subtil disse...

Neste mar de palavras acontece poesia.

Que belíssima simetria ( fosse assim em tudo na vida)

Beijo

ana disse...

Bonito e de alguma forma tranquilo.:)

Graça Sampaio disse...

E como se põem «as palavras em ordem»?
Não estou a ser capaz... «e nada mais acontece[u]»...

Beijinhos «povoados de silêncios»...

Janita disse...

Por vezes, quando os silêncios belos são interrompidos pela ordem das palavras, calam-se os trinados dos pássaros e os acordes da folhagem.
As vírgulas ganham asas, mudam o sentido das pausas...

a nada mais acontece!

Um beijo.

Janita disse...

Eufrázio, faça-me um favor.

Já que se levantou da sombra para colocar ordem nas palavras, coloque um "e" e retire o "a" na minha frase final...senão, é a desordem total!:-)

Obrigada! Bom resto de domingo.

Ana Tapadas disse...

Aconteceu um poema de rara beleza e grande artífice da palavra!

Beijinho

heretico disse...

aconteceu Poesia...

e foi tanto!

abraço, meu caro Poeta

GL disse...

De certeza que nada mais aconteceu? É que os "ingredientes" estão lá todos!

Boa semana.

:.tossan© disse...

O poema é ótimo, e nada mais vai acontecer para impedir essa beleza.

© Piedade Araújo Sol disse...

e nem podia acontecer mais nada...

belíssimo.

beijos

Licínia Quitério disse...

Tão bonito, Eufrázio!

Olinda Melo disse...


E ao sétimo dia descansou...

abraço

Olinda