terça-feira, 9 de abril de 2013

FLOR DE ABRIL






Hoje vi com os meus olhos
uma santa mulher
asfixiar um pássaro
nas mãos
só para desenhar no chão
a dor que sentimos

chamei-a
para deixar nas areias
um beijo côncavo
e permanecer
até a memória arder
os últimos barcos
as algas discernirem
de olhos abertos
todos os ritmos das marés

chamei-a
para esgrimir contra
a invenção dos destinos
erguer o seu corpo
de grânulos
e recolher todos os beijos disponíveis

chamei-a
para acordar o sono
deste chão
libertar os pássaros

vi uma mulher
amada
esculpida na praia

 

34 comentários:

Rogério Pereira disse...

Um dia, quando for chamado a falar de ti, não direi um só poema teu... por uma única razão: o que eu levaria para dizer, não poderia tropeçar na primeira emoção de um verso teu.

Por exemplo: se lesse este aqui, a voz se abafaria
"na dor que sentimos"

Olinda Melo disse...


É isso. Talvez na recolha dos beijos disponíveis esteja a solução para um acordar desta letargia asfixiante.

Abraço

Olinda

Maria Luisa Adães disse...

Amigo

Que sonho breve e lindo

"ver a mulher amada esculpida na praia"...
Mas ela tem que deixar de matar,
ser mais condescendente para a vida de cada ser - humano ou não -
e assim merecer o amor do poeta,
"que tão bem sabe amar" e escrever esse amor.

Grata por o encontrar,

Maria luísa

trepadeira disse...

Acordar o sono,libertar os pássaros.

Abraço,

mário

jrd disse...

Chamaste a mulher amada para encheres o Chão de Claridades.

Abraço

Fa menor disse...

Ai, as dores nossas de cada dia...
é trocá-las por beijos... desenhá-las na areia que o mar lava.

Bjs

ana disse...

Muito bonito. :)

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

"só para desenhar no chão
a dor que sentimos(...)
chamei-a
para esgrimir contra
a invenção dos destinos(...)
e recolher todos os beijos disponíveis
chamei-a
para acordar o sono
deste chão"


É bom passar aqui.
Um beijinho amigo

Lou Salomé disse...

Deixar na areia um beijo côncavo... Lindo!
Um beijinho

Um Jeito Manso disse...

Um poema com uma mulher de areia, pássaros, mar, algas, lá dentro só pode ser um poema bom para ser cantado ao vento.

Sopro Vida Sem Margens disse...

Rasto de um sono que antecipa um suspiro que, quase sempre, antecede o ir vir dos pássaros..

Parole disse...

Vc vê tanto...

Belo!

Bjs

Sandra Subtil disse...

Talvez a força das marés possam esgrimir as invenções do destino. Talvez...

Sónia M. disse...

Dizer que é belo, bonito, belíssimo, não chega. Grata pela leitura.

Talvez se todos a chamássemos assim...

Beijo

mundo da lua disse...

uma leitura valiosa.

Eu Nos e os Sinos disse...

Belissima visagem...
encantamentos são assim
mesmo.
Poesia tem esse poder.
Linda quinta-feira,
ja seguindo
Bjins

quem és, que fazes aqui? disse...


Só o mar e arável poderia reerguer das areias esta mulher...

Beijo

Laura

heretico disse...

derrama-se a dor pelas praias...
e olhos são marés plenas.

abraço, Poeta

vieira calado disse...

Pois, meu caro, Abril já aí está
e parece que os pássaros não acordam...
Um abraço!

Luis lourenço disse...

Um voo poético amplo e profundo...poeta.

abraço,

Véu de Maya

Canto da Boca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
© Piedade Araújo Sol disse...

em forma de mulher
em areias que o vento as leva
um dia
as marés vão tomar conta da praia
e
do resto

:)

OUTONO disse...

...e eu vi um clamar pleno de poesia livre, onde acontecem esculturas de criatividade ímpar!

Canto da Boca disse...

Essas mulher amada, que anda tão vilipendiada.
Que não tarde o tempo em que, todo dia, seja 25 de Abril, a anunciar as mais belas primaveras!

Belo, como sempre, Eufrázio!

Beijo!

Ana Tapadas disse...

Acordar da dor...proposta necessária!
A sintonia entre o poema e a imagem é perfeita.


bjs

Branca disse...

Eufrázio,

A dor que sentimos anda-me asfixiada no peito, soltou-se-me dos olhos com este poema.
Tal como diz o Rogério, a tua poesia é para ler e sentir, é como uma oração, mas tão intensa que se tornaria difícil dizê-la pela emoção que provoca.
Sempre genial o teu dizer.

Beijos

Ana Oliveira disse...

Espaço muito interessante. Vou ficar e acompanhar.
Beijo.
Ana

lis disse...

Arte na areia, Arte na vida,
sempre ela_' a invenção' dos destinos'

Rita Freitas disse...

E tanto que se pode esculpir na praia!

Bjs

Ailime disse...

Lindo! Um poema flor esculpido num corpo de mulher...na praia! Um beijinho Ailime

elvira carvalho disse...

A dor que sentimos, e a cruz indesejada que carregamos.
Um abraço e uma boa semana

manuela baptista disse...

uma mulher

e o pássaro, esculpidos, inventados outra vez

OceanoAzul.Sonhos disse...

Belíssimo

abraço
cvb

Lídia Borges disse...


Uma mulher (de pedra) moída!...




Beijo