sexta-feira, 26 de abril de 2013

ETERNOS A PINTAR SOMBRAS




Regressámos ao sítio
onde crescem silvestres buganvílias

foi aí em recato
que rasguei o que julgava ser um poema

lá no cimo da Arrábida
em visita guiada
aos azuis do Sado
no mais íntimo dos silêncios
observei a anatomia
dos teus gestos
quando te revelaste
quase ninfa
a invadir impossíveis
ao alcance dos dedos

ali ficámos eternos
a pintar sombras
que se alumiam

a inventar flores amanhãs e outros relâmpagos

 

22 comentários:

lino disse...

É preciso inventar novos amanhãs!
Abraço

MJ FALCÃO disse...

Parabéns pelo seu livro! Andei afastada destas lides.
Desejo que continue "a inventar flores amanhãs e outros relâmpagos"!

Sónia M. disse...

"a pintar sombras
que se alumiam"

Gostei muito!

Beijo

deep disse...

Muito bonito. :)

Caroline Godtbil disse...

Encantador...

"Ali ficávamos eternos..."

É uma deliciosa e incomparável sensação que só acontece ao lado de alguém absolutamente especial.

Beijos.

Rogério Pereira disse...

Há espera de relâmpagos

Alumiemos sombras

(nunca rasgues um poema..., dá-mo)

Ana Tapadas disse...

Inventar amanhãs é o belo e inesgotável ofício do poeta. Maravilhoso poema também pelo ambiente que evoca.

bj

Sandra Subtil disse...

um doce!

Parabéns ( pelas sombras que se pintam e pelo chão que se clareia)

Beijo

jrd disse...

Os teus relâmpagos rompem a bruma e desenham a silhueta das ninfas.
Abraço

quem és, que fazes aqui? disse...


Gosto! Mas, sobretudo, do verso final porque nos redimensiona o sonho...

Beijo

Laura

manuela baptista disse...

relampejou
no cimo da Arrábida


um abraço

Lídia Borges disse...


"a inventar flores amanhãs e outros relâmpagos"

Tarefa de importância maior para a despoluição do ar que nos invade os pulmões.

Um beijo

Rita Freitas disse...

É tão bom regressar ao sítio onde crescem silvestres bungavílias.

Bjs

MAR disse...

...y que todos los días aunque estén nublados... exista un gran sol para ti.
mar

Cristina Cebola disse...

Belo demais!

Deixo abraço...bom Domingo!

ana disse...

A Serra da Arrábida é especial pois a montanha junta-se ao mar.
Não há nada melhor do que perceber a paisagem.
Parabéns. :)
Beijinho.

Ailime disse...

Belíssimo poema assim como esse cenário paradisíaco. Bjs Ailime

heretico disse...

poema belíssimo e paradigmático da tua Poesia.

paisagem, sentimentos, vida, inquietação, enamoramento - está lá tudo.

aberto sempre a mais azul. e novos relâmpagos...

abraço, Poeta

Lou Salomé disse...

É próprio dos amantes eternizarem-se...num gesto suspenso.
Beijos

*Escritora de Artes* disse...

Lindo...

Abçs

Uma Rapariga Simples disse...

Tanto que este poema diz.

Canto da Boca disse...

Essa invasão de impossíveis, são os teus versos relampeando (relampejando, ou relampadejando) os mais belos poemas!