domingo, 3 de março de 2013

ATÉ A LUZ SE FAZER DIA




Com os barcos às costas
num sopro de vento
de porto em porto
a dobrar esquinas
a desbravar mares
a comer pedras sem destino
construtores de lonjuras
irreprimíveis

para lá das trapobanas
contra torvelinhos
silvestres
a domar escarpas
ao sabor das aves
que de tão abruptas
só poisam nos mastros

Num sopro de vento
andamos por aí a desbravar
arestas ruínas tempestades
até as águas correntes
se libertarem das crinas
invadirem o chão
para desassossego das sombras

De porto em porto
até a luz se fazer dia

 

27 comentários:

Leonardo B. disse...


[anunciado o dia,

palavra que se faz urgência
de ser luz.]

um abraço,

Lb

AC disse...

Luzes que convergem, relâmpagos para partilhar...

Abraço

Justine disse...

E havemos de conseguir!

Luis lourenço disse...

Vim ler o teu poema luminoso e deixar-te um abraço,

Véu de Maya

Jorge disse...

Que se libertem as águas!

Isabel disse...

Um pouco perdidos!

Gostei da imagem.
Boa semana!

jrd disse...

E navegando vamos construir o mar para libertar os nossos barcos.

© Piedade Araújo Sol disse...

de porto em porto
de cais em cais
e
a palavra se faz vela
içada

boa semana

beijo

Sónia M. disse...

Que o dia não tarde


Beijo
Sónia

Lídia Borges disse...


Andamos!... E isso traz-nos a certeza de outras paisagens.


Um beijo

OUTONO disse...

...as palavras formarão vontades ...

trepadeira disse...

E há-de fazer-se dia.

Abraço,

mário

lino disse...

Excelente ouvido!
Abraço

Rita Freitas disse...

E assim é viver, de porto em porto até a luz se fazer dia.

Bjs

heretico disse...

que as marés se soltem - o Mar seja.

arável.

abraço, meu caro Poeta.

Agulheta disse...

Assim vamos continuar a levar o barco as costas e chegar a bom porto de abrigo,e se fazer luz!
Beijos e boa semana

OceanoAzul.Sonhos disse...

É preciso continuar, num sopro de vento...

Abraço poeta
cvb

Anna disse...

De porto em porto, até ao cais da Boa Esperança...

Deixo um abraço

Ailime disse...

Magnífico poema! É urgente que essa luz irradie e rasgue todos os ventos que nos atormentam. Belíssima a sua poesia. Um beijinho e obrigada pelo seu carinho. Ailime

Janita disse...

Que o soprar dos ventos desbravem as tempestades e desassosseguem as sombras!

De porto em porto seguiremos
até a noite ser dia...
Por muito longa que a noite seja, um dia a Luz brilhará no fim da noite sombria.
Esta certeza nunca nos deve abandonar.

Um beijo.

Janita

Sandra Subtil disse...

Que venha o sol e as sombras se vão.
Beijinho

Jane Gatti disse...

E quando a luz se fizesse, Poeta? Terminaria nossa jornada? Ou outros portos, outros mares nos impeliriam a uma busca sem fim? quem sabe... Seríamos sempre marujos cavalgando a vida, sonhando bonanças e vencendo tempestades... Uma boa semana, abraços.

Mel de Carvalho disse...

"até a luz se fazer dia"

seremos palavra.


urge que assim seja.

abraço daqui

Mel

Silenciosamente ouvindo... disse...

Por mais que queiramos "as sombras
negras" nos perseguem...temos que
saber dirigir bem o barco, atravessar
marés agitadas, sem medo.
Bj.
Irene Alves

quem és, que fazes aqui? disse...



O tempo morto dos dias mortos de hoje são férteis sargaços para a floração de dias claros e novos.

Uma questão de tempo,breve.

Beijo

Laura

Maria Alice Cerqueira disse...

Boa tarde
Vim lhe desejar uma abençoada semana!
abraço fraterno!
Maria Alice

Canto da Boca disse...

Que as sombras deixem de ser esconderijos e passem a ser um remanso e lugares de encontros...