segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

NUM RASTO DE ASAS





Tão lúcidas as abelhas
embebedavam-se na flor
dos medronheiros
zumbiam alcantiladas
por sobre os barcos
na orla do cais
para adocicar "destinos"

Com a serra às costas
"ousavam impossíveis"
escreviam palavras improváveis

e nós acendíamos fósforos
para a luz invadir
a memória das sombras
recolher âncoras

partir numa lufada
a desgrenhar o vento

Tão lúcidas as abelhas
quando se levantam
num rasto de asas

mãos nas mãos


 

23 comentários:

maria teresa disse...

E a viagem começava...

jrd disse...

Belo poema. Bela metáfora.
Sejamos pois abelhas.

Abraço

Lídia Borges disse...

Recolher âncoras e partir "a desgrenhar o vento" é o que nos sugere a lucidez das abelhas - "mãos nas mãos".



Um beijo

Licínia Quitério disse...

Deambulamos
com palavras improváveis
na memória das sombras.


Assim, paralelamente :)

Rogério Pereira disse...

Falemos mais de abelhas
Mesmo que não consigamos versos,
assim, alinhados em belos poemas

Falemos mais de abelhas

mãos nas mãos
como irmãos

trepadeira disse...

São tão lúcidas as abelhas quando ousam impossíveis.

Abraço,
mário

JP disse...

As abelhas outra vez a ensinarem-nos .... mãos nas mãos.

Abraço

Sandra Subtil disse...

Sempre obreiras, as abelhas!
Beijinho

Agulheta disse...

As abelhas nos mostram a lucidez de como é levantar assas e arrais...gostei do poema.
Beijinho

Adriana Riess Karnal disse...

olás, ancorei por aqui.

manuela baptista disse...

e nós desgrenhados

na improbabilidade de um destino de asas

Mary Brown disse...

As abelhas são mais lúcidas e muito mais organizadas. Beijinhos

elvira carvalho disse...

Excelente metáfora.
Um abraço

OUTONO disse...

...tão lúcidas as abelhas...

Abraço!

Janita disse...

Excelente a metáfora implícita neste poema!
Nada pode ser mais forte do que a força do querer colectivo.
Carregando pesos incomensuráveis, poderiamos ousar impossíveis que tornassem mais doces os nossos "destinos".
Assim tivessemos, a lucidez e a unicidade das abelhas...
Perfeito!

Um beijo

Janita

OceanoAzul.Sonhos disse...

mãos nas mãos, voando e apreciando a beleza do que é simples

abraço
cvb

Laura Ferreira disse...

tão lúcido, este poema..

heretico disse...

as abelhas são sedutoras...

e crueis...

abraço, meu caro Eufrázio

ana disse...

No labor está a lucidez mas só quando a dignidade é respeitada é que as mãos se encontram.
Beijinho.:)

Maria Alice Cerqueira disse...

Bom dia !
Temos tanto aprender com as abelhas!
de mãos dados podemos pegar voo e chagar ao lugar que tanto queremos chagar!
tenha um belo dia!
Maria Alice

© Piedade Araújo Sol disse...

as abelhas dão o mel
mas...são perigosas

belas metáforas

beijo

mar disse...

Ups mi blog se elimino sin querer, pero estás invitado al nuevo y a mi Cumpleaños también.
Cariños.
mar

Canto da Boca disse...

Nenhuma palavra é improvável diante da sua pena poética, Eufrázio, nenhuma!