domingo, 17 de fevereiro de 2013

A DESBRAVAR UM POEMA






No espelho das águas
sacudi amarras
a preguiça das marés

construí um barco alado
desci a escarpa
sentei-me no cais
de costas para o mar
que mais parecia um rio
a desaguar fráguas na praia

Não chovia
em redor dos teus olhos

mas quando te recolhi
incomensurável e linda
uma brisa
sentou-se na cadeira vazia

e nós começámos
a lavrar areias

a desbravar um poema


 

30 comentários:

quem és, que fazes aqui? disse...



(embargou-se-me a voz!) :(

Beijo

Laura

jrd disse...

Que melhor espaço do que o das marés, para desbravar o poema.

Abraço

Maria José Meireles disse...

Lindo!...

JP disse...

Desbravar um poema junto às marés...mas não de costas para o mar. As vírgulas podem sair enroladas, as palavras soltas...


Abraço

Mateus Medina disse...

Desbravar poemas, ainda por cima nesse cenário, é do melhor que há...

um abraço!

trepadeira disse...

Que bom se todos pudéssemos desbravar poemas.

Abraço,
mário

Sandra Subtil disse...

E junto desbravaste emoções...estou aqui com elas embargadas na voz...
Beijinhos

ricardo alves / são paulo,brasil disse...

belíssimo!!!

Sónia M. disse...

Um poema de uma beleza emocionante!

Beijo

Sónia

Ana disse...

Poema

feito onda ~~~

bettips disse...

Felizmente
há quem lavre (ainda) as areias
e desbrave poemas
na pele.
Lindo!
(que o sol da Ericeira e o calor dos amigos te seja companhia GRANDE!)
Abç

heretico disse...

excelente, "caçador de metáforas..."

abraço, meu caro Poeta

Branca disse...

Ah, estas metáforas que tão bem traduzem o amor enchem-nos a alma de contentamento e trazem-nos aos olhos o brilho da vida que aqui acontece.

Beijos

Anónimo disse...

Essa brisa
era eu
que
suavemente
entrava no teu coração
para
ouvir de novo
o teu pulsar
(...)
o teu pulsar
o teu poema novo

Saudades

princesa


Lídia Borges disse...


Quando menos se espera um poema, vindo nem se sabe de onde, pede abrigo e aconchego na concha das nossas mãos.

Um beijo

Evanir disse...

Lindo desbravar poema e o mar!!
Uma linda e abençoada noite beijos,Evanir.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Poeta

Como eu gostaria de desbravar um poema e voar nas asas do vento.
Sempre IMENSO.
Um beijinho com carinho
Sonhadora

ana disse...

A imagem e a espera que a criação aconteça torna este poema especial. De costas voltadas mas de cabeça no mar. :)

Beijinho.

Mel de Carvalho disse...

... um alinhamento perfeito entre a imagem e o texto. ambos excelentes.

gratíssima pela partilha

fraterno abraço
Mel

Chique de Bonita disse...

passei pra te fazer uma visita.adorei o blog
http://chique-debonita.blogspot.com

Janita disse...

Poema bem desbravado de rimas ausentes, mas sentar-se de costas para o Mar é preciso ter muita confiança e sabê-lo calmo e sereno, por muito tempo.

E o Mar é tão instável, quanto o pode ser uma mulher.

Que coragem...

lis disse...

Ah quase como uma declaração de amor_ desaguar lavrar desbravar verbos que abrem caminho e também a alma de quem lê,
quero muito 'começar'.

Jane Gatti disse...

Que bela metáfora: desbravar um poema! Velejar em seus versos é alimento para o sonho. Obrigada pelo que nos oferece, obrigada pela visita e comentário. Vindo de quem é, me fez extremamente feliz! Abraços.

© Piedade Araújo Sol disse...

a imagem e o poema está perfeito

e desbravar poemas em partilha ainda é melhor

meu sorriso desbravado nas marés!

:)

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Adorei particularmente a segunda parte do poema...

Um beijinho amigo

Vento disse...

os anjos não têm costas!

Maria Emilia Moreira disse...

O mar estava lá...e mesmo de costas ele impregnou o poeta com o seu odor a algas e com a musicalidade das ondas.Muito belo!

carlos pereira disse...

Mais um belo poema que tem como pano de fundo o mar (o mar dos poetas). Gostei imenso. Abraço.

OceanoAzul.Sonhos disse...

Belíssimo...

abraço
cvb

Canto da Boca disse...

E nós velejamos na sua sempre bela, poesia!