quinta-feira, 17 de novembro de 2011

BARCOS DE PASSAGEM



                                                         DALI
                                                         


Imponente e doce no fervor dos silêncios
produzias saberes incendiavas pedras
eras um rio abrupto
a desbravar margens

e eu soltava-me vertiginoso
no teu corpo lìquido
aprendia a navegar

Quando tateavas brumas
de olhos abertos não vias nada
mas vencias espaços esquinas e becos

eras um rio de beber
às mãos cheias por entre os dedos
corpo fluido no refúgio das águas

sussurro de harpas
por toda a escarpa
véu de noiva
luz de fósforo
a alumiar destinos improváveis

barcos de passagem



38 comentários:

Canto da Boca disse...

Barcos que apesar de passagem, permanecem incólumes nas eternas marés da emoçao que a sua poesia nos causa!

www.amsk.org.br disse...

Dizer alguma coisa, seria pecado. Poderiamos distrair o barqueiro.

apenas 5 bjs, suaves na testa.

Mirian Martin disse...

Deslizando por aqui, como um barco de passagem - vertiginosamente. Mas de olhos fechados, porque barcos me assustam mais que aviões. ;)

ludu disse...

maravilloso

BRANCAMAR disse...

Corroboro o comentário de www.amsk.org.br e fico-me por uma leitura silenciosa e sentida perante tanta emoção...

Beijos

lino disse...

Sem palavras perante a magia das (tuas) palavras!
Abraço

Flor de Jasmim disse...

É importante continuar a navegar.
Beijo

mfc disse...

Sempre os gostei de ver a subirem e a descerem rios... como que a escreverem histórias!

Mona Lisa disse...

Mesmo de passagem...vale a pena...

Bjs.

ana disse...

Deixo-lhe esta imagem que me fez lembrar o seu poema.

Mar Arável disse...

ANA

Grato pela excelência
da imagem

Maria disse...

Soberbo!
E calo-me perante a beleza das tuas palavras.

Beijo-te.

Fernanda disse...

Doce o amor ... que suave desliza nas águas, serenas ou revoltas, conforme a brisa que insufla a vela do barco.

Beijo amigo,

Sônia Brandão disse...

E meu barco navega agora por aqui.

bj

BlueShell disse...

...demorei...mas cheguei!
Pensavas que não viria??? Nada disso...

Li e achei uma delícia:
"eras um rio de beber
às mãos cheias por entre os dedos
corpo fluido no refúgio das águas"...
Tão doce...um ancanto, mesmo...

Justine disse...

Lento, forte e doce, o fluir do teu poema!

Baby disse...

"
eras um rio de beber
às mãos cheias por entre os dedos
corpo fluido no refúgio das águas"

Todo o poema está excelente, mas esta estrofe foi como um afago.

Abraço.

CF disse...

Julgo que os barcos e a fluidez dos rios podem ser também bonitas metáforas para os vários processos da vida!!!
Abraço

Irene Alves disse...

Juntar a poesia a Dali = perfeito.
Um abraço,amigo
Irene

marlene edir severino disse...

E tateei brumas
no teu mágico poema

Um voo.

Lindo!

Abraço daqui

intimidades disse...

Lindo

Bjinhos
Paula

hfm disse...

Passamos... como barcos e como pássaros.

© Piedade Araújo Sol disse...

uma imagem que ilustra bem o poema.

e sim os barcos são de passagem assim como os seus marinheiros.

um bom fim de semana.

beij

António Gallobar disse...

Que maravilhoso poema, fantástico parabéns

Adorei

Sara disse...

E quantos de nós se atreveriam a abandonar-se a alguém / algo que de olhos abertos não via nada?
Haja fé... :)
Um abraço.

OutrosEncantos disse...

há um encanto nesses barcos que desbravam vertiginosamente os mares, há sim.
e eu infinitas vezes entro muda e saio calada, no receio de estragar a beleza dos momentos que aqui nos proporcionas.
é embriagante a beleza da tua poesia.
agradeço-te a permissão de aqui me passear.
beijo meu, Mar.

Nilson Barcelli disse...

Todos os barcos são de passagem...
Excelente poema, como sempre.
Abraço.

manuela baptista disse...

rio

deveria se um substantivo feminino,
mas permanecer rio

ria, é um outro braço de mar


um abraço

Fê-blue bird disse...

Um mar doce de palavras e de amor.

beijinhos

Fernanda disse...

E neste rio, suave terno e manso onde aprendemos a navegar, te diria -
"olha este azul do céu
Esta imensidão do mar
Que foi sempre o teu olhar."

Beijinhos

SAM disse...

Querido amigo Mar,

Um poema sublime, uma leitura das emoções nestes belos versos.

Beijos com carinho e ótima semana.

Anónimo disse...

"Imponente e doce...
...eras um rio..."

Em cada barco que passa
vejo e sinto
por instantes...
...instantes tão longos
...tão longe
...tão perto...
...
vejo e sinto
movimento/aventura
coragem
perseverança
música
luz

princesa

Lídia Borges disse...

Há nesta poesia um "não-sei-quê" que nos leva... Talvez um barco silente a atravessar um "corpo líquido" talvez só um gemido de harpas, uma luz...

Temos então: a água - (corpo líquido), a música e o fogo... Elementos essencias na construção de um canto de amor.

Um beijo

Grata pelas palavras no "Searas"

Lídia

heretico disse...

poesia cristalina. de beber e saciar a sede...

abraço, poeta amigo

Ad astra disse...

Um múrmurio de Harpa, sim

Virgínia do Carmo disse...

A poesia não se detém.

Um abraço, Eufrázio

Maria João disse...

A sua poesia, meu caro Eufrázio, é como um barco que conhecendo rios, oceanos e marés, navega sereno sobre as palavras, para nos dizer das certezas que se encontram na profundidade das águas.
Por isso, é sempre belo o que escreve.

Um abraço

Hanaé Pais disse...

"Destino improvável, barco de passagem."
Que triste!
Que frase tão insensivel Eufrázio.
Um homem tão romântico, com esta afirmação parece não ter sentimentos.
Bem... Haja o que houver, com uma Noite de rezas profundas e devoção, rapidamente o AJUDO a voltar ao meu coração.
E nas veias do seu mar ficar toda a minha emoção.