terça-feira, 25 de outubro de 2011

UMA FLOR VERMELHA NAS PAREDES DO CAIS








Não sei quem és
mas pelos gestos vieste por bem
rasgar o vento com as mãos
a neve dos meus cabelos

e eu cansado de florestas apócrifas
das palavras em bando
comecei a plantar árvores

vi os pássaros regressarem em acordes
à luz das noites que não dormem

Na partilha de horizontes
o amor é revolucionário

voa ousa nos mastros mais altos
garatuja búzios de sons
intervem por causas
muito para lá das utopias
e se levanta resiste
ao pôr do sol

mesmo que os barcos entristecidos
estilhacem nos espelhos da água
algumas pedras com vida por dentro

Registo por um instante
o ar que nos move

pinto com a boca
uma flor vermelha
nas paredes do cais



52 comentários:

Maria disse...

Que essa flor vermelha nunca seque!

Beijos.

BRANCAMAR disse...

Gostei desta flôr vermelha pintada com a alma e do amor partilhado e revolucionário.

Um hino à vida e aos horizontes comuns.

Sei bem da beleza dessas partilhas e desses horizontes, é um "dejá vue" com 37 anos. :)

Saio rendida.

Beijos

folha seca disse...

Que essa flor vermelha assuma os contornos de um cravo (sim o nosso cravo) e que nunca a deixemos secar.
Abraço
Rodrigo

OUTONO disse...

...cores de um desejar.
Abraço!

Isamar disse...

"O amor é revolucionário", um belo verso entre muitos outros como costumam ser os teus.
Que essa flor vermelha perdure e nos traga força a todos nós.

Beijos

Bem-hajas!

Isabel disse...

Que o poema se faça verdade.
Um abraço

marlene edir severino disse...

Registrado está.
Num esboço na areia,
no cheiro da maresia,
na conversa do mar.

Procuro a flor vermelha.

Abraço de mar!
(do lado de cá!)

difusosreflexos disse...

E a flor de cor vermelha, que neste contexto, só pode cheirar a cravo!!!
Com Mar Arável ... presente!

Parabéns.

Beijinho

Ana Sofia

jrd disse...

Grande Poeta que fizeste um poema enorme.
Abraço

lino disse...

Se cada um pintar uma flor vermelha isto irá por um caminho diferente.
Abraço

Rogério Pereira disse...

Tento
voar ousado nos mastros mais altos
garatujar búzios de sons
intervir por causas
muito para lá das utopias
e me levantar resistente
ao pôr do sol

Acho que hei-de conseguir
animado pela flor vermelha
que me pintas

Nilson Barcelli disse...

Fazem falta flores vermelhas.

Para que o cinzento em que andamos mergulhados se vá...

Mirian Martin disse...

Amo as flores vermelhas pintadas. Elas não murcham e nem morrem, mas são capazes de me fazer navegar por outros mundos.

© Piedade Araújo Sol disse...

cores de um amor revolucionário

e por ele vamos pintar rosas no cais e nas margens

beij

Flor de Jasmim disse...

Que todos nós possamos regar essa flor vermelha para que não a vejamos murchar.
Beijo e uma flor

mfc disse...

É tempo de enchermos os cais da vida com flores vermelhas!

ana disse...

"Na partilha de horizontes
o amor é revolucionário".
Por causa das utopias? e da flor vermelha desenhada no cais, como um grafite?

Grata pela beleza.

Anónimo disse...

Hoje
procurei outros mares
mas naveguei no teu
Que excelente opção!
...encontrei...
verdades improváveis
o teu cão guia
flores, amanhãs e outros relâmpagos
em sombras pintados
No cais
um cravo vermelho
florescente
evocava e relembrava
abril
distante
Fiquei satisfeita
com esta visita guiada

princesa

Vítor Fernandes disse...

Se começar a desbotar diga-me onde fica essa parede. Irei regá-la para que a flor vermelha nunca murche.

Mirian Martin disse...

Ontem eu estava assistindo um filme que aqui se chama "Cartas para Julieta". Começa justamente pela busca de quem presenciou o beijo do marinheiro com a enfermeira. Independente do filme, sempre foi uma cena que me fez suspirar. Um beijo que inspirou um filme e tantas outras histórias.

Sônia Brandão disse...

Um sopro de vida nas pedras e nas paredes.

Um abraço.

Luna disse...

o voo rasante das pétalas vermelhas enchem o cais de esperança.

Belo poema

Canto da Boca disse...

Que o amor revolucionariamente nunca se canse de vermelhar!

VÉU DE MAYA disse...

"Pintar com a boca
uma flor vermelha
nas paredes dos cais"

Ilusão vital de poeta numa límpida e pujante metamorfose.

Abraço

ana disse...

Mar Arável,
A fotografia é fantástica e simboliza perfeitamente a sua mensagem. Já conhecia esta foto.
O amor é sempre revolucionário pois é uma erupção semelhante à do vulcão.
Bj. :)

ERA UMA VEZ disse...

para ti
que até lavras o mar
que fácil deve ser pintar uma flor vermelha...em qualquer lugar..

Licínia Quitério disse...

Perdurarão as flores que nos cais vais pintando.

Abraço, Eufrázio.

Rúbida Rosa disse...

"E a quem te adora, ò surda e silenciosa,
e cega e bela e interminável rosa,
que em tempo e aroma e verso te transmutas!

Sem terra nem estrelas brilhas, presa
a meu sonho, insensível à beleza
que és e não sabes, porque não me escutas..."

Um poema só tem perfume, se diz da rosa vermelha... Ofereço-te os versos de Cecília Meireles, em agradecimento pelo perfume dos teus versos.

Fê-blue bird disse...

Beijo essa flor e os meus lábios ficam vermelhos de saudade.
LINDO!!!

beijinhos

tecas disse...

Cor do desejo num sublime poema.
« registo por uns instantes/ o ar que nos move...», para depois a pintar nas paredes dos cais. Excelentes metáforas.
Abraço amigo.

Mona Lisa disse...

Olá

Pintemos a nossa vida(sem vida),de vermelho...

Bjs.

JPD disse...

Boa noite

Dois planos

O texto conserva o brilhantismo habitual.
Editas poesia com enorme qualidade.

A ilustração
Lembro-me de sair de um cinema para ir a outra sala para completar o visionamento do 1900.
Um filme extraordinário.
Na segunda parte, espero não estar enganado, há uma cena da festa do L'Unita.
As discussões acaloradas por causa dessa passagem do filme.
Nem imaginas!
Outra entrega iconográfica que é tratada na segunda ilustração aquando do fim da segunda Grande Guerra.

Um abraço

© Maria Manuel disse...

excelente poema e de grande actualidade. andam densas as florestas, urge o sonho, o amor, o voo de um pássaro, uma flor -

abraço!

manuela baptista disse...

ainda rasgaremos tanto vento com as mãos, sim

e são vermelhos os cais, de partidas e chegadas

"para dormir bem chega a morte"

um abraço

manuela

mundo azul disse...

__________________________________


Seu poema guarda nas belas metáforas, a esperança que vibra sempre e sempre nos corações, mesmo nos momentos mais escuros...


Beijos de luz e o meu carinho!!!

_____________________________

Lena disse...

Vamos continuar a semear essas belas flores até que Portugal seja parecido a um mar de cravos e para que os passarinhos regressem ao seus ninhos...

Beijos

R. disse...

Um gesto que materializa as palavras.

ERA UMA VEZ disse...

Que interessante um comentador ter lembrado o filme 1900.

Há uma cena de tortura de um gato que ainda hoje me arrepia, o que não quer dizer que não tenha gostado imenso do filme. Marca uma época, falando de outra...
Creio que foi por essa altura que vi um outro também especial que julgo se chamava História de amor e utopia com Giancarlo Gianini e que nunca mais passou...

E tudo isto a propósito de uma flor vermelha que o nosso Mar arável pintou...

maceta disse...

sai o verso escorrido do pensamento direitinho ao pulso...

Lídia Borges disse...

Os "barcos entristecidos" prosseguem animados pelo fulgor de uma certa flor pintada com a boca nas paredes do cais.

Um beijo

Adriana Karnal disse...

o cais com paredes de batom, os marinheiros e suas amadas...as partidas e os poemas dobrados.Tudo isso é poesia.

Fa menor disse...

Temos mais é que contar com as nossas próprias mãos
e delas fazermos asas
e remos
e mastros
e com elas desenharmos todas as cores que quisermos inventar.

Virgínia do Carmo disse...

Só os poetas sabem como pintar flores com a boca. E desses, só alguns o fazem de forma tão sublime.

Um abraço, Eufrázio

heretico disse...

o amor é vermelho. como seara ondulante...

... ou grito das amuradas. no corpo dos amantes.

belissimo, Poeta.

Sara disse...

Muito bonito. Tem razão, o amor é uma imensa força motriz.
Um abraço.

quanto pesa o vento? disse...

estas tuas letras pintam o meu dia.
gostei muito.
abraço.

Sofá Amarelo disse...

As paredes do cais enchem-se de flores vermelhas pintadas nos espelhos das águas....

Maria João disse...

Da boca, todas as flores que façam os barcos querer soltar amarras.

Um abraço

Justine disse...

É o amor que nos redime. É a poesia que nos dá força pra inventar novos mundos!

Sonhadora disse...

Poeta

Que essa flor vermelha perdure para além do tempo e fique eternizada neste poema.

Deixo um beijinho
Sonhadora

BlueShell disse...

"Na partilha de horizontes
o amor é revolucionário"...e as flores vermelhas serão sempre armas de luta!

Bj
BShell

OceanoAzul.Sonhos disse...

Há sempre um momento, na partilha de horizontes ou de palavras.

um abraço
oa.s