segunda-feira, 3 de outubro de 2011

À PERGUNTA DE OUTROS MARES




                                                                       DELACROIX

Quando foi urgente criar um deus
as uvas ainda não estavam maduras
no corpo das videiras

Inocente subiste ao púlpito
das vinhas decepadas

improvisaste um sermão
ergueste o cálice
e a companha exausta aprendeu
que nada é perfeitamente inútil

Após as vindimas
bebemos do mesmo vinho

Foi quando enfunaste as velas
começaste a despontar relâmpagos
nos mastros mais altos

quando afloraste o chão com um beijo
partiste sem destino
por sobre as águas revolto

à pergunta de outros mares



35 comentários:

Mirian Martin disse...

"partiste sem destino
por sobre as águas revolto"

Como diria meu filho: adrenalina!

Ou, como diria eu mesma: cutucar onça com vara curta.

bjs

Sonhadora disse...

Poeta

Como sempre belo...e como sempre naveguei no mar revolto das tuas palavras.

Um beijinho
Sonhadora

Roberta Galdino disse...

oiii
adorei o blog
to seguindo
bjo

http://rgqueen.blogspot.com/

folha seca disse...

"e a companha exausta aprendeu
que nada é perfeitamente inútil"

Caro Eufrázio
Acabo de escrever num comentário num blogue amigo, que estou revoltado, o que não é bom, porque se perde o discernimento.
Ler e tentar interpretar cada um dos teus poemas, para mim funciona como um calmante, talvez com o mesmo efeito do que beber um bom copo de tinto, que até pode ser da tua vizinha Palmela.
Abraço

mfc disse...

Depois de ensinado ruma-se á própria vida...

Licínia Quitério disse...

"Nada é perfeitamente inútil". Pois não, Poeta.

trepadeira disse...

Sem destino mas com rumo certo num mar revolto.

Um abraço,
mário

Isamar disse...

O mar é uma paixão que acalento desde a infância. Ele é sonho, vida, morte, paz, amor...
Belo poema!

Bem-hajas!

Abraço fraterno

AC disse...

Será que um dia as uvas amadurecerão, ou será esta a nossa condição?

Abraço

Evanir disse...

Meu Anjo.
Deus abençoe sua semana
sou sempre grata pelo seu carinho.
No momento quase não estou conseguindo fazer visitas.
Porém tenho você no meu coração e pensamento.
Estarei tentando deixar meu carinho também,
parabenizar pelas postagens lindas que leio na sua postagem.
Um beijo no coração .
Já com saudades e muitas.
Evanir

ana disse...

Mar Arável,

é muito belo este poema. A condição de ser ... partir.
Abraço! :)

Isabel disse...

E andamos também à pergunta de outros mares...

OceanoAzul.Sonhos disse...

Em mares revoltos se parte, muitas vezes sem destino. Aqui, neste mar, permanecemos ou partimos, quem sabe...

Abraço
oa.s

blueangel disse...

A chegada é tão importante como a partida, a partida é tão importante como a chegada. Da mesma forma que se brinda a chegada, é necessário saber brindar uma partida.O restante guarda-se.

Um abraço

Blue

ana disse...

Mar Arável,

Os seus serras da Estrela têm o poder de olhar as estrelas por isso eles são mais filósofos do que nós, de certo, e mais felizes.
Adorei o seu comentário.
Abraço!:))

www.amsk.org.br disse...

Navegar é preciso,
viver não é preciso.
Navegar é absolutamente imprescindível,
tantos mares...assim, viver se torna preciso.

5 bjs das cozinheiras

tossan® disse...

OUTRO...DIONISIO.Dionísio, Diónisos ou Dioniso (do grego Διώνυσος ou Διόνυσος) era o deus grego equivalente ao deus romano Baco, das festas, do vinho, do lazer e do prazer. Filho de Zeus e da princesa Semele, foi o único deus filho de uma mortal. Beleza de texto...Magistral!

Sônia Brandão disse...

Soltando as amarras.

bj

Fa menor disse...

Porque há sempre outros mares a descobrir...

:)

R. disse...

Beija-se a segurança do chão e parte-se para a incerteza do mar, eventualmente com esperança.

Um abraço e parabéns pela escolha da imagem que tão magnificamente conjuga as palavras.

lino disse...

Feliz de quem pode ir "à pergunta de outros mares".
Abraço

pianissima disse...

"...Após as vindimas
bebemos do mesmo vinho

Foi quando enfunaste as velas
começaste a despontar relâmpagos
nos mastros mais altos

quando afloraste o chão com um beijo
partiste sem destino
por sobre as águas revolto..."

... há sempre um destino, quem sabe, de reflexão!?

incrível, o teu versejar, Mar :)
beijo.

heretico disse...

assim as Vestais antigas. que em sua intensidade cegam os poetas.

e partem...

abraço, Poeta amigo.

grato pela fraterna afectividade no Relogio de Pendulo.

BRANCAMAR disse...

Agora que tudo normalizou e já não há "coelho", venho à procura do mar, deste mar por onde já passei sem saber o que dizer. Acho que pela primeira vez não digo mais nada...apenas que estou aqui e senti.

Muito bonito, como sempre.

Beijos

Justine disse...

A necessidade de procura! A necessidade da poesia, para se aprender...

© Piedade Araújo Sol disse...

porque há mar e mar e há ir e voltar

aqui está mais um belíssimo poema

muito belo

beij

Mel de Carvalho disse...

"...quando afloraste o chão com um beijo ... "
é, penso eu, Eufrázio, esta nossa capacidade de beijar o chão (pátrio), que nos impulsiona na procura de nós mesmos e de respostas - o chão que nos acolhe a queda, permite-nos também, que, e com a sua ajuda, nos reergamos.

... e nada, mas nada mesmo, é inútil. sequer morrer de pé, como as árvores que, secas, se não dão frutos, enfeitam e humanizam as paisagens.

um abraço, meu amigo, sabe da minha admiração.

Mel

manuela baptista disse...

os deuses são assim

ou chegam cedo demais ou já partiram

há perguntas de muito mar


um abraço

Sara disse...

Gostei muito do poema, mas devo dizer que "à pergunta de outros mares" é um verso sublime.
Obrigada!

A. disse...

Ah, vinho danado!...


"...e a companh(I)a exausta aprendeu...)

Do alto da exaltação ao "beijo no chão", muito vinho escorre pelas encostas da garganta, até se estatelar lá no fundo. Depois, sobe por ali acima, até ao monte das ideias mais quentes e... é o diabo!...



Abraço

Maria João disse...

Por isso mesmo, " nada é perfeitamente inútil".
Muito menos os poemas belos que sabem das uvas maduras.

Um abraço, Eufrázio.

Secreta disse...

Mar revolto que nos rouba a segurança!

CF disse...

Somos tão errantes quanto o mar e os ventos que correm sobre estes...
PS: agradeço a sua presença no meu blogue e vim retribuir :)
Gostei muito deste espaço onde o mar é o meu elemento vital :)
Tem coment no meu blogue
Abraço

Fê-blue bird disse...

Uma busca que será sempre eterna.

beijinhos

Canto da Boca disse...

Li e senti, inúmeras vezes o seu poema, e não sabia o que dizer. Continuo sem saber o que dizer, de tão soberbo que é.
Acho-o emblemático (e definitivo), com tantas possibilidades.
Ritualista, denunciador, filosófico.
Definitivamente não sei o que dizer.