terça-feira, 20 de setembro de 2011

APRENDIZES DO VOO



                                                           Autora do oleo - blueangel - "linguagem dos pássaros"


Quando te disse
os nossos milagres são fáceis de explicar
o Outono entrou no corpo
das romãzeiras
e ao sabor de um gesto simples
brotaram na tela
traços de aguarelas

Foste o meu modelo preferido
só porque trazias no regaço
inquietudes de pétalas

e o mar ficou mais azul

e os barcos mesmo desfolhados
continuaram a remar
na flor dos relâmpagos

Quando te disse
meu amor como te chamas?

transgredimos tantos silêncios
que ainda hoje
quando te pinto
somos água de beber
na boca das sementes

tão sábios aparente mente
à tona dos pássaros
aprendizes do voo
a contar pelos dedos
bagos de romã



36 comentários:

Eva Gonçalves disse...

:)Bonito, como sempre. beijo

www.amsk.org.br disse...

Da aquarela já reconhecemos os traços e dessa sensebilidade angelical brota uma força imensa.
belíssimo poema:

Inquietudes de pétalas
e o mar ficou masi azul.

e é isso.

5 abraços das cozinheiras

Rogério Pereira disse...

Envolvo-me no poema
como sempre tento
e descubro nele uma tarefa
que posso realizar:

Mesmo se reduzido a uma única folha
continuar a remar

Maria disse...

Amo a tua poesia. A maneira como escreves poesia. Pronto!

Beijo.

deep disse...

Muito bonito. :)

Maria Luisa Adães disse...

Excepcionavelmente belo!

Doce, terno, romântico, suave... Adorei!

Maria Luísa

trepadeira disse...

Como o mundo será melhor quando todos,com vontade,formos aprendizes do voo.

Um abraço,
mário

OutrosEncantos disse...

a tua poesia é de sentimentos, Mar!
só em ti habitam as palavras adequadas!
não tenho sabedoria nem para replicar!

é belo, o teu poema!
beijo.

Mirian Martin disse...

E em cada palavra eu me perco, em imagens e sons e texturas e pensamentos...
Se são seus, não sei.
Agora são todos meus. ;)
bjs

OceanoAzul.Sonhos disse...

Gestos simples pintam telas com pétalas perfumadas e iluminadas pelo azul do mar que se perde no horizonte, onde os pássaros pairam silenciosos, aprendendo a voar.

Sempre bom navegar neste Mar.
um abraço
oa.s

antonio ganhão disse...

As inquietudes... lançemo-las ao voo.

Torquato da Luz disse...

Muito bom, meu caro!
Um forte abraço.

mfc disse...

Uma tela colorodíssima com as tuas imagens belas!

luiz gustavo disse...

outubro : os corvos do meu céu



luminárias devem cintilar
a solidão da noite
de luz insólita

antes de cair dos céus
olharia as sombras
das tormentas

- transformadas em sonhos -

mas deixo
que o falso dia
penetre pelas fenestras
volitando pigmentos
pelos lábios petrificados

exponho
um seio da face ao sol
elevo-me à razão do pulso
que acelera (a)o ritmo dos passos
até o último instante

tão tênue
que eu passo
a desafiar o tempo
do vento mais antigo
e intrigante

ouço dizer que os anos
podem alterar rumos
e muitos anos - o horizonte -

o olhar que arremessei
aos céus nesta noite
não (a)tingiu o coração


www.escarceunario.blospot.com

© Piedade Araújo Sol disse...

talvez o não saber o nome

fosse o catalisador

para todo o poema

e escorrem pingos dos bagos

das romãs

um beij

jrd disse...

Muito bom!
Porque se pode remar com as asas.
Abraço

Parole disse...

Um nome muda tudo... Poema suave e belo.

Beijo

placco araujo disse...

acho que foi nas páginas da Parole que te vi pela primeira vez...
já te li e já encontrei novos blogs (portugueses) através de ti...
gosto muito daqui, então, devo gostar muito de você!

beijos,


edson

Teresa Durães disse...

derrubadas as fronteiras, seguem-se as transgressões

lino disse...

Belíssimo, com sempre!
Abraço

ana disse...

Gostei do poema, da intensidade e da maresia.

Da pintura adoro-a e sei que a sua autora tem muita sensibilidade!
Abraço. :)

Sofá Amarelo disse...

Há que transgredir silêncios quando o Outono entra no corpo das romãzeiras...

joaquimdocarmo disse...

"Bagos de romã"!...
Abraço
Quicas

Vieira Calado disse...

Bem bonito

o poema!

Saudações poéticas!

Mel de Carvalho disse...

seremos sempre, meu amigo, aprendizes - o aprendizado é eterno. e ainda bem.

em aprendizado o leio - bela a sua poesia, Eufrázio.

abraço daqui, bfs
Mel

BRANCAMAR disse...

Lindo, lindo! Muito!
Aprendizes de altos voos para a eternidade.

Beijos

tecas disse...

Intenso e sublime poema!
«transgredimos tantos silêncios
que ainda hoje
quando te pinto
somos água de beber
na boca das sementes»
Excelente aguarela de palavras.
Saudações poéticas.

Canto da Boca disse...

Um poema que abre tantas possibilidades, desde as estações do ano - que explica o milagre das mudanças - aos mistérios dos fenômenos físicos como os relâmpagos. Sentimos daqui a corrente intensa que ocorre nessa atmosfera da paixão, na transgressão, nesse rápido movimento de voo de pássaro, iluminado pelo clarão da sua poética que encanta-nos a todos.

Mais uma poesia belíssima, Eufrázio, vou me repetir sempre!

heretico disse...

saborosos os bagos de romã. que nenhum se perca. boca a boca...

belissimo, meu caro Poeta.

abraços

Sonhadora disse...

Poeta

O que dizer se o poema já disse tudo...foi apenas um nome que ficou.

Um beijo
Sonhadora

Baby disse...

Gosto desta poesia onde cabem pétalas inquietas, a cor azul, os barcos que não desistem de remar, os pássaros que voam mas continuam sempre a aprender e as palavras que falam de amor e que mesmo sendo mais de mil, sempre as contamos pelos dedos, como se fossem bagos de romã...
Beijo.

Lídia Borges disse...

Gosto muito do pendor clássico nos devaneios das metáforas nos matizesa do dizer... Gosto muito!

Um beijo

Lena disse...

Adorei esta tua tela de outono
tem cor e sabor...

Bonito

Beijinhos

Maria João disse...

Belos são todos os Outonos que se pintam, na cor da transgressão dos silêncios.

Um abraço

Karl disse...

Tanta beleza.
Palavras.
Imagem.

Hanaé Pais disse...

Que lindo as sementes e os bagos da romã!