sábado, 2 de julho de 2011

A ROTA DAS AVES



Nos sapais onde nidificam
as garças
eram simples de explicar
as nossas pátrias

Ali nos despíamos
e habitávamos
horas longas

até a noite nos transportar
para outras cores
num passo de dança
por sobre as águas

Nos sapais
ao ritmo das marés
(e)ternos
até os cães uivarem nas margens

Corría-nos a maresia nas veias
cumpriamos a rota das aves



33 comentários:

Isa GT disse...

Hoje devo andar avariada... tudo me faz recordar uma música e neste caso das aves, não foi especificamente uma garça mas...

I'd rather be a sparrow than a snail.
Yes I would.
If I could,
I surely would.
I'd rather be a hammer than a nail.
Yes I would.
If I could,
I surely would.
;)

Bjos

lino disse...

Isso era há uns anos. Agora os sapais são coelheiras mal cheirosas.
Abraço

mfc disse...

Todos cumprimos a nossa rota... de uma forma ou de outra!

VÉU DE MAYA disse...

Que bela projecção vital...Poeta.

"corria-nos a maresia nas veias
cumpríamos a rota das aves".

abraço,

véu de maya

Mariz disse...

E nesse compasso ondulante, pelas marés a vagar assim vemos percorrer a vida, em seu caminhar.

beijos de boa noite!


Mariz

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Há locais com uma magia própria para namorar e outros para conspirar e os mesmos para conspirar amores.

Maria João disse...

Nunca será fácil explicar o ritmo das marés, se nas nossas veias deixar de correr maresia.

Um abraço

Mel de Carvalho disse...

A Ilha das Garças, de Sue Monk Kidd, foi dos livros mais belos que li recentemente.
Não pude deixar de o lembrar ao ler este seu poema igualmente belo, meu amigo.

Um abraço daqui
Mel

OutrosEncantos disse...

serão sempre belos os sapais, principalmente se cantados por ti...
(e)ternos, cumprindo a rota das aves azuis.

beijo, Mar!

antonio ganhão - o implume disse...

Existem locais assim onde se cumprem destinos incertos... quais, não importa, deste que captemos a sua magia.

Flor de Jasmim disse...

Eufrázio
Lindo!!!
Todos nós temos um ou outro local que muito nos diz...faz parte do nosso percurso da vida.
Beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

muito belo, e vamos na rota das aves ou tao somente nas nossas...

beij

AFRICA EM POESIA disse...

Belo poema
adorei..
um beijo

Fernanda disse...

Na rota das aves, nos sapais, ao ritmo das marés o amor faz-se...
E ele é tudo!
Barco, pescador
Rede e peixe
Mar agitado,
Céu azul,
Vento, maresia,
Orvalho, sol escaldante,
Amante!...

Adorei o seu poema.
Beijinho

Evanir disse...

Carinhosamente venho desejar
uma linda semana.
e muitos sonhos realizados.
beijos e beijos,Evanir.

Maria P. disse...

Já tinha saudades de vir aqui.
Maravilha...

Anónimo disse...

esta rota será sempre a do encantamento.





abraçoooooooooooooooooooooooooooooo.



imf.

intimidades disse...

como sempre

Lindo

Bjinhos
Paula

Fê-blue bird disse...

E pela rota das aves me guiei ...

Bjos

Karl disse...

Saudade da maresia nas veias. Saudade de me sentir no turbilhão das ondas.

yaraeosol - yaralm disse...

Mar arável...novamente encanta-me.

ana disse...

A maresia traz sempre boas recordações!

O poema e a imagem estão muito bem interligados.
Abraço!

Laura Ferreira disse...

E eu voltei a sentir maresia...

Secreta disse...

Gosto das tuas palavras, da tua forma leve de escrever.
Beijito.

manuela baptista disse...

no presente

corre-nos a maresia nas veias
e cumpriremos tudo

se no canto dos poetas permanecerem as garças e os sapais e as marés e as horas

Sônia Brandão disse...

Na rota do encantamento.

abs

Carlos Ramos disse...

É preciso tentar cumpri-las, essas rotas por vezes dificeis eque o poema tão bem desvenda.

R. disse...

Caro Mar Arável, em momentos como este, é ingrato comentar a poesia. Melhor seria poder imprimir aqui a emoção proporcionada pela leitura.

Um abraço.

Sara disse...

O poeta carrega a razão: em algum momento perdemos a razoabilidade das explicações simples. Tudo é, agora, um arrazoado de complexidade, que não raras vezes transtorna a rota.
Um abraço!

heretico disse...

no tempo em que os sapais eram habitados. por garças...

... agora a poluição tolda-(lhes) o olhar!

abraço, caro amigo

Donagata disse...

E já não corre? Somos gente de mar...

Canto da Boca disse...

dias e noites sempre nos trazem cores, além de sentimentos outros que as horas não nos permitem sentir. mas aqui a emoção é a tônica de todos os momentos!

belo poema, o que nem é novidade.

;)

OceanoAzul.Sonhos disse...

transportados na noite, sobre águas, dançavam ao ritmo das marés...

como que por encanto, vindo deste poema.

Um abraço
oa.s