domingo, 26 de junho de 2011

DESVENDAVA-TE



Sempre que improvisas acordes
gosto de ouvir-te em silêncio

indecifrável
quase inocente
a libertar os mais contidos desejos

eterna por um fio
à luz de um fósforo

Se soubesse explicar
o movimento das sombras
a dissonância do relógio de pêndulo
o chão dos barcos a óleo
nas paredes da casa

pegava-te ao colo poema

desvendava-te


41 comentários:

Parole disse...

Penso que desvendar um poema, seja desvendar a nós mesmos... mesmo assim, não é tarefa fácil.

Beijos

folha seca disse...

Caro Eufrázio
Nada como um poema com este título e este conteúdo para numa noite de Sábado procurar "desvendar" tanta coisa que há para o fazer.
Abraço

Eva Gonçalves disse...

Aqui são desvendados os acordes que satisfazem o desejo. :)Bjo

anamar disse...

Li-te em alta voz... como quase sempre.
:)
Beijo

hfm disse...

O movimento das sombras é sempre assimétrico e imprevisível por isso as tuas palavras poéticas dão a imagem certa.

trepadeira disse...

Quando é fácil desvendar perde o encanto.

Um abraço,
mário

ana disse...

Smile
in a
little box!:)

marlene edir severino disse...

..."eterna por um fio
à luz de um fósforo"

Delicado, sutil
falando comigo nesse silêncio daqui

Carinhoso abraço!

Marlene

yaraeosol - yaralm disse...

Pois que ponhas pauzinhos nas engrenagens! Gostei de conhecer teu blog!
Um abraço,

Yara

mfc disse...

O final é de uma beleza total!

lino disse...

Belíssimo.
Abraço

Sara disse...

Como dizia Agustina, há "espaços em branco" que é difícil, se não impossível, desvendar. Mas a intenção é nobre, assim como o poema que apela à sua concretização.

Mirian Martin disse...

Daí, a "eternidade" deixaria de ter o seu encanto...

beijocas

BRANCAMAR disse...

Belíssimo, quase incomentável, como tanta da poesia que crias!

Beijos
Branca

Menina no Sotão disse...

Tanta coisa que um poema precisa saber explicar, não é mesmo? Bem, eu acho que me contentaria apenas com o desenho das sombras, até porque a partir disso se tem todas as formas. rs

bacio e boa semana

Maria disse...

Deixa o poema ficar assim, por desvendar. Porque está belíssimo!

Beijos.

Mel de Carvalho disse...

Em silêncio leio todas as suas poesias, certa de que jamais estarei à altura de decifrar o pleno, do quão de belo, o são.

Abraço daqui
A minha (sempre e enorme) gratidão
Mel

OutrosEncantos disse...

ah!... sempre que te leio poeta, o que me parece é que a poesia habita o teu colo [em permanência]
que poema encantador, este que escreveste :)
beijo, Mar.

yaraeosol - yaralm disse...

Sutilesas que me encantam! Voltei ao teu Blog e encontrei as delicadesas que fazem a diferença!
Um abraço,

Yara

Armando Sena disse...

E o que fica por desvendar é o que traz mais magia.

lamadeirasclick.blogspot.com

Justine disse...

Poema de encantos, labirintos e desejos. Muito, muito belo!

mundo azul disse...

_______________________________

...o encanto está em não entendermos de onde vem...



Beijos de luz e o meu carinho!!!

__________________________________

Fa menor disse...

Os acordes podem soar imperfeitos
e nem sempre o silêncio os pode desvendar

OceanoAzul.Sonhos disse...

Em silêncio, o melhor caminho para desvendar o poema.

oa.s

Maria Valadas disse...

Gostaria de desvendar toda a tua poesia...

MV

Maria Luisa Adães disse...

Tenho selinho nos "7degraus" leva-o, se te agradar.

Ao cimo/ lado direito!

Se eu pudesse pegava teus versos ao colo, mas não os desvendava...
deixava-te com a beleza do teu segredo...

Mª. Luísa

Secreta disse...

Desvendar um poema, desvendar uma alma, um coração...
:)
Beijito.

Graça disse...

[... e não o fizeste já?]

Belo, como sempre.

Beijo meu, Poeta.

Lídia Borges disse...

Um poema, às vezes, é um espaço pequeno demais para "os mais contidos desejos" do poeta.

Muito bonito!

L.B.

VÉU DE MAYA disse...

Pegar ao colo um poema não é para todos, Poeta... Bela a tua sonata.

abraço,

Véu de Maya

Sônia Brandão disse...

Desvendar é quebrar o encanto.

bj

Eduardo Miguel Pereira disse...

Tenho para mim que sempre que se desvenda um poema, nos desvendamos a nós mesmos um pouco mais juntamente com o seu autor.
É como que uma comunhão de "desvendagens" entre poeta e leitor.
Um poema não desvendado não cumpriu a sua missão e, poeta e leitor nada desvendaram.

Graça Pires disse...

Ouvir o silêncio e a explicação das sombras, desvendando os segredos das palavras...
Muito belo!
Um beijo, amigo.

Canto da Boca disse...

mais uma vez eternizas (minhas) emoçoes, nso fios dos poemas tecidos magistralmente!

lindo!

tecas disse...

A beleza do poema, está em não ser desvendado.Deixar-lo com o seu mistério, o mistério do criador ( poeta). Porém, se o próprio criador quer:«pegava-te ao colo poema
desvendava-te», deve-o fazer com a mesma beleza e leveza com que o criou. Lindo.
Saudações poéticas.

© Piedade Araújo Sol disse...

desvendar o poema pode ser aliciante.

gosto muito da sua poesia.

beij

Sonhadora disse...

Poeta

Hoje passando apenas para agradecer o carinho e apoio, estou melhorando e voltando devagar.

Beijinhos
Rosa

Virgínia do Carmo disse...

talvez o encanto esteja na impossibilidade de desvendar.

Um abraço

Teresa Durães disse...

nem sempre o que desvendamos é o que esperamos...

heretico disse...

desvendar lentamente. em movimentos dissonantes...

muito belo. o poema

abraço, caro Poeta.

carlos pereira disse...

Meu caro Poeta Eufrázio;
Poema excelente, profundo.
Gostei.
Um forte abraço.