segunda-feira, 18 de abril de 2011

MAIS VERMELHA QUE OS TEUS LÁBIOS



                                                      Publicado em 2010 na revista SEARA NOVA

A noite carregava
a sua própria sombra
mas nós carregávamos uma noite
que não era a nossa

quando uma luz de sol
despontou nas paredes do cais
para ergueres as pálpebras
e veres claramente
espalhadas no chão dos barcos
o que pareciam ser
as últimas flores do Inverno

tu sabias
que estavam a medrar
novas marés
quando subiste à gávea
dos barcos ancorados
para confirmar o rosto branco
da madrugada

tu sabias
que alguém andava
a lavrar desertos
para nascer uma flor
mais vermelha que os teus lábios



51 comentários:

Rogério Pereira disse...

Insistem os lavradores
Num deserto regressado
Cada um o mais esperançado
em que renasçam flores
como o teu dizer
vermelhas
cor de lábios de mulher

Constantino, Guardador de Vacas disse...

E depois,
tantos que de inveja mais vermelha ficaram
foram pisar flores
nos desertos lavrados.

AC disse...

"Tu sabias
que alguém andava
a lavrar desertos
para nascer uma flor
mais vermelha que os teus lábios"

Bolas, Eufrázio, que coisa mais linda!
Obrigado.

Abraço

Mateso disse...

novas marés.. para quando?
Lindo, lindo.
Bj.

Maria disse...

Da noite se fez a clara manhã
em que nasceram cravos vermelhos
de todos os desertos.

Beijo.

ana disse...

Mar Arável,

A imagem da flor que nasce no deserto é demasiado bela, se este seu poema tivesse só os cinco versos era igualmente encantador.

Gostamos sempre de algo que é único, maravilha-nos ou entristece-nos.

flor de jasmim disse...

Eufrázio
A tua força de mar arável desaguando sempre em poemas tão intensos e belos tais como este. Adorei...a última parte então é lindissima.
Beijo

Sandra disse...

Parece-me que os solos estão a bradar por novos lavradios...

lino disse...

É urgente voltar a lavrar desertos.
Abraço

Sonhadora disse...

Poeta

O deserto clama por uma nova cultura...mais viçosa.

Um beijo
Sonhadora

heretico disse...

Há sempre no fundo da terra um húmus insuspeito, uma semente, uma promessa, um parto...

...
há sempre o vermelho e o trigo...

sabe-se lá quando vai explodir uma flor...

abraço, meu caro Poeta
belíssimo teu poema.

BRANCAMAR disse...

E duas lágrimas me nasceram na emoção destes versos, na última estrofe deste poema, porque cravos são beijos de Abril a arder na fogueira das memórias...

Sublime Eufrázio.

Beijos, tantos.

isa disse...

Encontrei aqui um Poeta!
Feliz Páscoa!
Obrigada pela sua visita!
Beijo.
isa.

marlene edir severino disse...

Lavrar desertos...

Persistente e ousado lavrador!

Um abraço!

Marlene

Ad astra disse...

muito bonito mesmo

antonio - o implume disse...

Que as noites e as sombras não se envolvam numa dança... precisamos de sol.

Graça Pires disse...

"tu sabias
que alguém andava
a lavrar desertos
para nascer uma flor
mais vermelha que os teus lábios"
Que não murche a flor vermelha é a nossa esperança.
Um beijo e Boa Páscoa.

Fa menor disse...

E continuamos a carregar sombras na noite...
ao menos que os nossos lábios nunca se cansem de soltar as palavras urgentes a tingi-las de colorido.

mfc disse...

Há sempre alguém que nos estima... há sempre alguém que pensa em nós!
Um lindo poema de atenção ao outro!

joaquimdocarmo disse...

"... alguém andava
a lavrar desertos
para nascer uma flor
mais vermelha que os teus lábios"

Uma pétala de rara beleza, amigo! Parabéns!
Abraço

R. disse...

Um deserto que produz flores, pode bem ser um oásis.

© Piedade Araújo Sol disse...

alguem a lavrar desertos, já por si só é um verdadeiro poema.

belissimo.

foto bem escolhida.

beij

Naty e Carlos disse...

Não importa o dia ou o mês do ano
que você se encontre,
importa sim, que no seu coração
a Páscoa sempre se faça presente,
e que você possa renovar sempre
o seu amor com aqueles que
necessitam
de uma palavra de conforto nas horas
difíceis,
que você torne-se um farol de luz
a iluminar as trevas
e caminhe com seu irmão ao encontro
de Jesus!
Bjs com carinho

Evanir disse...

Uma flor e uma poesia bélissima aguarda na entrada do seu blog.
Eu amei seu blog e ja estou a seguir-te.
Deixando um convite venha conhecer
o meu blog Brasil e Portugal.
Uma linda noite beijos e beijos ,Evanir.
www.aviagem1.blogspot.com
E
www.fonte-amor.zip.net

Sônia Brandão disse...

Nasce a flor e o poema.
abs

Isamar disse...

E prenhe de esperança, de rubra esperança, despertou aquela longínqua madrugada que lutaremos por manter viva enquanto por cá andarmos.
Lindo poema alusivo ao Abril que eu/nós tantas vezes desejámos, lutámos e vimos nascer.

Bem-hajas!

Beijinho

Canto da Boca disse...

Tenho uma infinda esperança vermelha, que outras flores hão de brotar nesse deserto que também é composto de oásis!

Impécavel esse poema, impécavel!

VÉU DE MAYA disse...

Estes cravos vermelhos são lindos.E o poema a festa deles.
Votos de Pascoa feliz.
abraço,
Véu de Maya

Sara disse...

Há flores que nascem à própria revelia da noite que carregamos ou do deserto que atravessamos. Felizmente.
Muito belo!

Justine disse...

E nasceu! E não morrerá!

Silenciosamente ouvindo... disse...

Agradeço a visita ao meu blogue
e comentário. Cravos vermelhos que
muitos quiseram destruir...e também
as muitas conquistas do 25 de Abril
estão a desaparecer e o povo (algum) parece querer persistir no
voto nos que levaram o país há
humilhante situação em que está...
Um abraço

JB disse...

E quando essa flor nascer... não haverá mais deserto!

Que lindo!

Beijinho!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Parece.me que as flores estão a precisar de nascer de novo.
Uma Páscoa Feliz

carlos pereira disse...

Caro amigo, Poeta Eufrázio;
E nos barcos, regressaram outros amores.
Um abraço.

A.S. disse...

Que renasça a cor rubra que a sombra escureceu...

Um abraço
AL

ana disse...

Venho desejar Boa Páscoa com o azul e o vermelho no horizonte! :)

Pata Negra disse...

Recordamos a noiva vestida de vermelho! Sabemos que a filha nem sequer casou! Mas o que eles não sabem é que, vê-se na ecografia, que a neta vai ser ainda mais bonita e poderosa! Tal como a avó vai-se chamar Abril!
Um abraço para anos de 12 abris - ou abriles?! porra! abril tem plural?!não! é só um! o seguir a março - o mês dos burros - e o antes de Maio o mês das cantigas e das espigas!

mais um abraço da ecografia

Sofá Amarelo disse...

As marés ainda voltarão a encher e teremos de novo Maré Alta! Assim se cumpra Abril, apesar de lhe quererem pôr um pano preto por cima...

Mariz disse...

E qdo a nova maré chegar, o brilho dos lábios há te te chamar.

mil beijos prá ti!

Teresa Durães disse...

ter a esperança nessa flor. Não é simples

Maria Marluce disse...

O deserto floriu, tua mão produziu. Boa páscoa.

manuela baptista disse...

e sabem os homens da terra

que lavrar, não acaba mais


seja qual for o sonho de marés
a cor das flores e do cais

no vermelho do seu poema

um abraço

manuela

João Rasteiro disse...

"tu sabias
que alguém andava
a lavrar desertos
para nascer uma flor
mais vermelha que os teus lábios" - muito belo. Mulher, país, poema, o que quisermos, desde que nasça urgentemente uma nova flor que em seu odor divinal nos mantenha na utopia da palavra VIDA!
Abraço,

João Rasteiro

Aldebarã disse...

Meu amigo vim desejar uma santa e feliz Páscoa. Um beijinho muito doce.

OutrosEncantos disse...

... e afinal Mar quem sabe és tu, melhor que ninguém!...
eu adoro este poema!
vim estendendo os braços de lá até aqui para no mesmo abraço te desejar uma Páscoa feliz e doce.
beijo.

OUTONO disse...

E o vermelho foi chama...e o grito flor...num deserto adormecido...pelos abandonos das mentes oque mentiam...

Fê-blue bird disse...

«A noite carregava
a sua própria sombra
mas nós carregávamos uma noite
que não era a nossa...»

Espero que nunca nos esqueçamos dessa longa noite.

bjos

anamar disse...

E ela nasceu mesmo...
E os lábios, como reagiram?

Bjssssssssssss

Lídia Borges disse...

Fala de desertos lavrados onde germina a flor da Esperança.

Sentido e muito belo!

L.B.

Laura Ferreira disse...

Que venham marés, vermelhos e flores!

Carlos Ramos disse...

Existe muita qualidade nestas composições. Muito coração na letra.
Parabens por tratar tão bem a poesia.
Abraço.