segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

AMANTES SEM DESTINO



Estávamos no tempo da nidificação
das garças
por entre moliços e neblinas
encantados
a soletrar metáforas

dulcíssimos
errantes
a agitar marés

amantes sem destino

Desapercebidos das águas ancoradas
no chão dos barcos
ainda hoje o rio ousa madrugar
eriçado nos cilios do corpo
e as aves despontam
silvestres

sussurram nos mouchões
vozes
que sentimos na pele
subir aos mastros
para amarmos melhor
as tempestades

Ainda hoje no alvor do rio
transportamos as margens
para o mar

47 comentários:

mfc disse...

Um poema lindo para um dia lindo...
O enamoramento é um estado sublime.

folha seca disse...

Caro Eufrázio
Li e reli. Só dá para dizer que partilho da ideia que o amor pode assumir muitas formas e até se pode "subir aos mastros para amar melhor as tempestades"

flor de jasmim disse...

No mar cada onda é um perigo
Na estrada cada curva é um
incerteza
No jardim cada flor é uma beleza.
No mundo cada pessoa é uma
surpreza
O amor é um tesouro.
Beijo

R.B.Côvo disse...

Lindo poema. Um abraço.

Rogério Pereira disse...

O mar por destino,
acompanhando as margens...

trepadeira disse...

Será que os amantes alguma vez querem ter destino,
para além da loucura sã e louca?

Um abraço,
mário

Cristina Torrão disse...

Uma bela escolha para este dia. Assim, dá gosto invocar São Valentim :)

jrd disse...

...transportamos as margens
para o mar.
Que melhor bagagem para a viagem!?

lino disse...

Muito adequado ao dia!
Abraço

Elaine Maciel disse...

Nós somos assim, seres humanos, sempre mudando as coisas a nosso favor, mesmo por vezes, sem perceber...

Um abraço!!!

Mel de Carvalho disse...

E haverá palavra mais bela que a palavra amantes?
se, na génese, denomina quem ama, quem nutre afecto.
o destino dos amantes?
amar.
tudo o demais, acessório.

belo o seu poema meu amigo.

a minha gratidão pela partilha
fraterno e saudoso abraço
Mel

antonio - o implume disse...

O rio nidifica nas margens do mar.

Tania regina Contreiras disse...

ainda hoje o rio ousa madrugar

eriçado nos cilios do corpo


A imagem é um achado, adorei!
beijos,

JB disse...

O mar, as aves e o amar... Ainda hoje são ambiente de sonho!

Beleza poética!

Beijinho

Sandra disse...

Poema maravilhoso, cheio de metáforas deliciosas.
Beijo

manuela baptista disse...

dulcíssimo

vagabundear de amor, o seu poema

um abraço

manuela

ana disse...

Do alvor do rio até ao mar,
a imensidão.
Ana

Anónimo disse...

A beleza da metáfora está na descoberta.
No seu dom maior de adornar o peito de quem lê ou escuta, no regaço do coração.
E, fechando os olhos, cabe-lhe a tarefa sublime de nos encher do convencimento de que podemos, querendo, transportar as margens para o mar e subir aos mastros para amarmos melhor as tempestades.

Maria José Bravo

hfm disse...

Temos mesmo de as "transportar". Belíssimo!

Graça Pires disse...

Amantes sem destino transportando as margens para o mar...
Que belo!
Um beijo.

Valquiria = selos e mimos,valvesta e hanukká. disse...

Amantes sem destino...com destino de ser feliz, mas a felicidade é uma conquista que os covardes não tem.

Bom resto de semana
Beijos.

Maria Marluce disse...

Soletrar metáforas, só os poetas,tecer os poemas nas ondas, os anjos querubins. Teu poema é uma canção que nos deleita.

heretico disse...

elegante poema de amor.

tão genuino e belo que se aclara em "neblinas encantadas", derramando-se em cascata de em metáforas dulcíssimas.

abraço, Poeta.

JPD disse...

e esse movimento para o mar é sempre magnífico.

Abraço

Anónimo disse...

Imagem linda!
E poema a condizer
Amantes...
Amados...
Da nascente até à foz
Em todos os momentos
Em qualquer circunstância
Amantes
Com destino!

princesa

VÉU DE MAYA disse...

Tão belo!

Poeta.

abraços

São disse...

As metáfora são lindas, como é habitual.

Fica bem.

BRANCAMAR disse...

Lindísimo, envolvente e profundo.
Chegar às águas ora agitadas ora calmas do mar, é chegar à vida no seu melhor.

"Ainda hoje no alvor do rio

transportamos as margens

para o mar"

Adorei.
Beijos

AnaMar (pseudónimo) disse...

o caminho onde desagua o amor nas margens dos corpos fundidos.
arável o mar que salga de cristais, os amamntes.

José Carlos Brandão disse...

A garça é uma pré-metáfora.

d'Alma disse...

São tão doces as metáforas nos regatos de mel!... às vezes como fel!... Mas sempre doces enquanto a neblina não se quebra no reflexo aninhado dos espelhos!... A panaceia da metáfora que corre em veias etéreas de neblina!... Sabe bem... a anestesia da metáfora!... E a prostração suave que esvoaça como um véu finíssimo de seda... ou fumo azulado que se espreguiça, muito lentamente, dum cigarro enrolado na luz da meia-luz!... Como um farol perdido na vontade de não ser encontrado!
Ao largo!... Entre a imensidão e as velas solitárias, entre a suspensão no alto da falésia e a silhueta que se perde no crepúsculo da memória!... Na imensidão de um regato onde a Alma do Oceano dorme!




Abraço

Secreta disse...

O amor, tão simples e tão complexo!

Vieira Calado disse...

Olá, boa noite!

Motivos alheios à minha vontade
fazem que só agora possa regressar
à blogosfera
e a visitar os amigos.

Saudações poéticas.

Um abraço

Sofá Amarelo disse...

São as margens do rio que vão desenhar as ondas do mar...

Teresa Durães disse...

amantes sem destino. será bom? (será o que faço?)

Naty disse...

Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá, mas pelo que nos revela de nós mesmos.

Autor Miguel Unamuno
Bjs com carinho

gabriela r martins disse...

porque me surpreendo sempre que por aqui passo?


( sento.me ,a ler ,pausadamente )




.
um beijo

alice disse...

e nestas margens caminhamos à procura do que o mar nos trouxe. lindo! um grande beijinho*

Virgínia do Carmo disse...

Há destinos que não nos pertencem... são tão maiores!...

E as palavras por aqui, sempre imensas!

Um abraço

Secreta disse...

Passei para ler-te.
Tem um bom fim de semana.

Justine disse...

Exaltante história de amor! Que seja eterna!

Sara disse...

Assim são os amantes: "desapercebidos" de tanto, mas com uma consciência tão apurada de tanto mais.

Fê-blue bird disse...

O mar, o amor, os amantes com ou sem destino, tudo é perfeito e único na sua poesia.

beijinhos

Licínia Quitério disse...

A permanência do amor tão bem cantada! Um abraço.

R. disse...

Há poesia que não se nos oferece comentar, mas apenas fruir. Assim é esta. Obrigada.

Um abraço e parabéns pela excelente ideia dos ´poemas falados'.

tb disse...

O amor às coisas simples e puras..
Um abraço!

mariam disse...

Só agora li. Adorei! e... levei (espero que não se importe)
Beijinhos :)
mariam

http://olhares.sapo.pt/mares-de-neblina-foto5523873.html