sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

NÃO MATES O NOSSO INVERNO


                                                            oleo de Dante Gabriel Rossetti


Choviam palavras a pique mas nós só ouvíamos e navegávamos o azul feito água, o epílogo de mais um ciclo de marés, quando pousaste no meu ombro preferido e assim ficámos. A haurir perfumes e outras luminosidades. Encantados.
Romeiros formigávamos a carregar montanhas como se tivéssemos asas e tínhamos, como se fosse possível aprender todos os movimentos em viagem.
Soprávamos cinzas para encandescer o lume, riscávamos no chão das areias um traço enclavinhado para nos perdermos, como se fossemos intemporais.
Partimos à pergunta de metáforas que nos emprestassem por um instante, outros caminhos.
Estávamos tão sós e distantes, mãos nas mãos, como dois estranhos apaixonados a flutuar em surdina na inconsistência das salivas quando apanhaste um seixo e o lançaste ao mar.

- Não foi para te atingir.
- Como se eu fosse o mar.

Depositávamos a pressa de um instante no frémito do primeiro beijo conquistado num berço de pedras sobre pedras, no teu andar erótico, por entre mágoas arredondadas, no tempo em que dividíamos o pão e as lágrimas.

- Andar erótico? Estava apenas a olhar um desejo quando me desprendi.
- Descobri-te devagar.

- Eu era do sol, corpo nu, areias soltas a massajar a pele, corridas pelas dunas até as águas nos receberem de braços abertos.
- Todos os deuses são imperfeitos mesmo quando nos apeadeiros do tempo andam como te vi nas areias.
- Os teus olhos vibravam e era tudo.

- Certo - mas não cales o uivo dos cães, não apagues os relâmpagos, muito menos o cantar do velho galo que só canta quando há tempestades, o mar aceso por entre os dedos, o cálice por onde ainde hoje bebemos vendavais, as sonatas do vento, o frio que purifica, os nossos farrapos de neve, as flores que resistem.

- Vamos ouvir " Quiets Nigts " ?
- Certo, mas não mates o nosso Inverno.

33 comentários:

Analuka disse...

Sempre um prazer renovado passear por estas paragens, sentir estes ventos poéticos, esta pulsação...

Deixo abraços alados azuis, e te convido a partilhar de um mergulho-vôo apaixonado, lá no Ânkoras & Asas.

legivel disse...

... nem eu pretendo sequer ferir, com um comentário menos formal, este belo texto de amor em tempo de inverno.

Virgínia do Carmo disse...

Eu (também) penso que tudo o que nos constrói importa reter com doçura... mesmo o que dói ou parte, agora ou depois...

Beijinho

- submerso, ainda:)-

Teresa Durães disse...

todos os invernos são ecssários. são eles que trazem a primavera

batista disse...

belo texto. porto seguro e gostoso de aportar. inté.

Fabrício Santiago disse...

Juro que não sei como comentar poesias, só dá pra saber se gosto, gostei. Escrevei um novo texto no meu blog, acho que está mais palatável pra vc, gostaria do seu comentário.
abraços
fabrício

jrd disse...

Belíssímo.
A poesia move-se na tua prosa e o amor acompanha-a.
Um abraço

Licínia Quitério disse...

Como gostei deste texto...

Não matem o inverno.
Como poderíamos saborear o verão?

Lena disse...

Em prosa o em versos,
é sempre um prazer te ler...


um beijo

mdsol disse...

Não matará concerteza!

:))))

Sonia Schmorantz disse...

Que lindo texto, envolvente!
um abraço
ótimo fim de semana

Gil Moura disse...

Olá, meu amigo!

Venho agradecer a tua sinpática visita ao meu cantinho.

Tenho tido o meu pc em "estágio" por causa de um vírus que o infectou. Daí esta minha ausência, tanto nas postagens como nas visitas a todos vós meus amigos. Felizmente está tudo resolvido.

Voltarei com mais tempo para comentar como merecem.

Desejo um excelente fim de semana para todos!

Abraços

Gil

Maria P. disse...

Belíssimo "inverno"...

Beijinhos*

Justine disse...

Passeando devagar pelas palavras, sem medo de chuva ou vento ou relâmpagos.Apenas conta o presente.

AnaMar (pseudónimo) disse...

Um Inverno de contentamento em amor e poesia.

Descobertas com que traduzimos versões de corpos em almas.

Bj

SILÊNCIO CULPADO disse...

Mar Arável


Há quem diga que os invernos são mais autênticos pela fúria dos ventos e das marés. Também nós por dentro temos essa força da natureza agreste que nem sempre floresce mas que é paixão.


Abraço

Maria disse...

Como eu gostei deste inverno...

Um beijo.

Reflexos e Sinais da Alma disse...

Por aqui passei, e me deixei estar por um tempo.

E não houve nada, de que não tivesse gostado.

Gostei de tudo o que esse tempo me permitiu "estar".

Abraço

JPD disse...

Mar Arável

Eis um texto que só exalta tão eloquentemente o amor porque domina a palavra e as suas nuances com o brilhantismo que apoesia confere.
(Apreciação meramente técnica)

A edição está divinal porque chega ao ponto de «aconchegar» nas mãos essa torrente emocional de que se faz editar.

Muitíssimo bom.

Saudações

partilha de silêncios disse...

É sempre um prazer passar por aqui !

Não deixe que matem esse inverno.
bjs

Sofá Amarelo disse...

Quase troquei a hora de almoço de hoje pelo ciclo das marés em forma de fotografias das gaivotas, das garças e dos patos pretos que agora em largos bandos debandam a baía azul em tempo de maré cheia...

São disse...

Que viva o inverno e uqe seja quente como o são todos os desejos.

Feliz semana, Companheiro.

alice disse...

gostei muito de ler e fiquei com imensa vontade de ouvir quiet nights na voz da diana krall... um momento deveras poético, este. obrigada e um beijinho*

maré disse...

a fúria dos vendavais quando só de amor se movem as marés.

com a permissa das luas,
os deuses são só o braço que marca a trajectória das estrelas.


________

beijo Eufrázio

utopia das palavras disse...

Fabulosos esses tempos agrestes!

Excelente...porque os deuses são imperfeitos!

bj

Laura disse...

Gistei muito deste Inverno...

maria manuel disse...

belo história de amor, em jeito de prosa poética. um amor perpassado pelo desejo, dito na poesia dos sentidos, na metafórica (?) travessia do mar, nos breves mas reveladores diálogos. gostei.

heretico disse...

Inverno de todos os (des)contentamentos...

excelente.

abraços, Poeta.

Sonia Schmorantz disse...

Hoje vim convidar você a conhecer o Ilha da Magia, blogger onde arrisco alguns ensaios poéticos
http://schmorantz.wordpress.com/
o link está no leia mais no meu tradicional espaço.
abraço

Graça disse...

Um belo texto de ti... gostei muito, e que nunca se mate o Inverno.


Beijo.

augusto, um entre mil disse...

Soubera eu ser metáfora e ler-me.
E comprender-me.




É belo o que escreveu.

anamar disse...

Neste "caloroso" inverno

vou-me proximando de novo

para sentir as tuas palavras

sempre com cheiro a maresia...

Um, dois
beijos

pianissima disse...

oh Mar, este é sem dúvida o teu poema de amor mais belo!
são tesouros os links que me tens deixado.
p.s.- sem sono, fiz nova tentativa e finalmente o google me deixou entrar e permanecer:)
e escrever.

beijo.