segunda-feira, 22 de junho de 2009

À PERGUNTA DO MAR



Estava com os olhos presos
no espelho do rio
quando as margens
se moveram
com aves a acenarem
famintas de um sinal
para fluirem

Das águas submersas
o coaxar dos remos
regressou à tona

Os saveiros passaram
a andar num rodízio
de memórias

Bastou libertar um pó
para desprender os olhos
partir para a faina

à pergunta do mar

30 comentários:

jrd disse...

Poesia maior a tua, mondador de marés do Mar arável.
Abraço

anamar disse...

Como sempre, ler em alta voz, para melhor sentir a beleza das suas palavras!
:))

Donagata disse...

Tão bom ler esta música de palavras feita...

esequiel lino disse...

... muito BELO!...irmão!

Teresa Durães disse...

o mar que tanto apela

utopia das palavras disse...

Curioso o título do teu poema, a minha avó tinha uma expressão que queria dizer "à procura" era exactamente assim "andei à pergunta".

Senti a faina do mar encontrado!Belo!

beijo

Vera disse...

O percurso, o caminho... à pergunta do mar!

Lindíssimo!

Beijinhos

Graça disse...

Gosto sempre de navegar nas tuas palavras...

"à pergunta do mar"... numa procura que não cessa...


Beijo

mdsol disse...

É sempre muito bom ler as palavras aqui lançadas.
:))

Maria P. disse...

Belíssimo...

Bjos*

Adriana disse...

linda, posso pegar pra mim?

hfm disse...

Como gostei desta pergunta do mar!

Vieira Calado disse...

É outra forma do rodízio.

Cumprimentos meus,

Ad astra disse...

gosto de ler-te!

São disse...

Quem sempre está no meu rodízio de memórias é a beleza da tua escrita.

Um abraço.

martelo-polidor disse...

eu gosto do que é sentido e dito...

abraço

heretico disse...

assim é quando o mar está pronto para as marés...

basta um inesperado (e livre) grão de poeira. e a Luz faz-se...

excelente, Poeta.

abraços

mariam disse...

Eufrázio,

neste mar de palavras (suas)
o fluir dos sentidos (meus)

lindíssimo poema este! e os infra também...

navegar por aqui, é um gosto renovado :)

deixo-lhe uma mão-cheia de gulosas cerejas e o meu sorriso :)
mariam

nota:já estava com saudades deste 'Universo' tão especial... mas tive alguns problemas informáticos rsrs

Maria Valadas disse...

!Um rodízio de memórias"

Perfeito!!!

Beijos.

legivel disse...

... bem poderia ser o rumo libertador. Só que a vida é dura para quem faz da faina o ganha-pão.

Mas sonhar não é proibido, não é verdade?

Belas as palavras-remadas.

As Chamas do Fénix disse...

... e o mar faz é tanto do todo que eu sou...
Muito Bom

Uma grande chama para ti...Abraço

Arabica disse...

Estaremos nós destinados a, como saveiros, passarmos pelo rio, num rodizio de memórias?

Beijos, Poeta de rios e mares aráveis ao teu olhar.

Princesa disse...

Hoje passo aqui mesmo rápido estou muito cansada me perdoe.

"Para falar ao vento bastam palavras. Para falar ao coração, é preciso obras.
um beijo

Lena disse...

O mar tem tanto a dizer

lindo poema !

Beijos

Laura disse...

Gostei muito deste mar...

Márcia disse...

...porque nas águas do rio me revejo!Interessente o título deste poema...

Graça Pires disse...

Um poema onde navegamos os sentidos.
Um abraço.

alfa disse...

Experimente. "Primeiro estranha-se, depois, entranha-se." (Fernando Pessoa)

http://movimentodaspalavrasarmadas.blogspot.com/

maré disse...

à pergunta do mar...

___ são teus os meus olhos
estes remos que são proa
famintos das tuas rotas
é teu este corpo de margem
são teus os meus cabelos de sal
.
.
.
___

Um beijo Eufrázio

gabriela rocha martins disse...

deixo fluir o sentir e ,sem querer ,o mesmo se faz rio

do teu mar a quem ouso perguntar

-"senhor barqueiro
,deixa.me passar?
tenho filhos pequeninos
não os posso sustentar..."

( lembras.te? )



.
um beijo