segunda-feira, 25 de maio de 2009

NA FOLHAGEM DAS CEREJEIRAS



Numa perfeita harmonia dissonante
hoje os pássaros acordaram loucos
mas os teus olhos não

errantes como frutos amovíveis
pestanejam vertebrados

quase indecifráveis
deixam na poalha
um rasto fluorescente
para as aves se guiarem

desafiam tudo
até os infinitos tangíveis

ousam rasgar nas sombras
breves instantes interditos
desnudam-se em centelhas
e outras claridades

É nesta folhagem das cerejeiras
que os desoculto
de tanto olhar

34 comentários:

tiaselma.com disse...

Belíssimo poema. Tanto a desocultar com nosso olhar...

Abraços de Selma Barcellos

alice disse...

a dissonância entre o voo do pássaro e o olhar aqui descrito é a harmonia do poema. um beijinho, filipe.

maré disse...

aqui
desafiaram todas as claridades
e deixaram rasto
fluorescente sobre águas

______
Belo1
um beijo

isabel mendes ferreira disse...

a inequivoca harmonia de quem sabe ver para lá do olhar e dizer no texto todo e tanto do tantas vezes pouco dizível.


O meu abraço. carinhoso.

Sofá Amarelo disse...

Cerejeiras e cerejas são sinónimo de dádiva, tão fascinante é o seu gosto! Atinjamos então os «infinitos tangíveis» em «breves instantes interditos».

Abraço!!!

Justine disse...

Manto que descobre, tapando. Tal como o olhar que se tenta decifrar.

Graça Pires disse...

A folhagem das cerejeiras onde se oculta o olhar para espiar as aves...
Um belo poema. Beijos.

jrd disse...

É por entre a folhagem que o teu olhar descobre os olhos que o reflectem.

Anónimo disse...

SIM!... creio
que neste tempo das cerejas
o nosso olhar pode (e deve)ser
tão intenso
que desoculte as consciencias
...tão adormecidas !!!

Ab. - irmão!

Anónimo disse...

Que maneira tão bela
de falar e
sentir
estes, aqueles,
os teus, os meus,
os nossos...
os olhos de quem
quer que seja!!

Por entre
qualquer folhagem
eles emitem
as mais diversas emoções!!

Na folhagem das cerejeiras
e não só!!!!

princesa

Maria P. disse...

O segredo do olhar, em cada palavra...

Beijinho*

gabriela rocha martins disse...

não sei o que se passa com este mar onde os POEMAS ,de dia para dia ,deixam rastos cada vez mais inconfundíveis


.
um beijo

Mar Arável disse...

Minha nossa Gabriela

são favores dos teus olhos

Bjs

Miosotis disse...

... só o olhar vê. só o olhar não mente!

mdsol disse...

A ideia de cereja como "filtro" parece-me tão bem!
:))

Um bom dia vizinho da blogosfera

:))

utopia das palavras disse...

Inconfundível o teu olhar...!!

Gostei!!!!!

Beijo

lino disse...

Muito bonito!

vida de vidro disse...

olhos como pássaros. num voo de beleza. **

Teresa Durães disse...

olhos que falam...

polidor disse...

sempre pronto para prender o sentimento...

abraço

heretico disse...

palavras belas. como cerejas maduras. no surpresa da folhagem.

belíssimo, Poeta amigo.

abraços

Maria Valadas disse...

" Desafiam tudo
até os infinitos tangíveis"

Um recado em versos.

Obrigada pela Força.... reabri o blog!

Arabica disse...

Não sei se são os olhos que dizem,

se são os outros, que lêem.

Entre cerejeiras azuis.

Beijos

Nuno G. disse...

olhar de alma, desocultando...

(www.minha-gaveta.blogspot.com)

vermella disse...

Mar e terra unidos neste fermoso ollar seu....
beijos.

hfm disse...

Da intensidade do olhar interior.

Adriana disse...

as cerejeiras e o olhar...imagens mais belas gue há.

gabriela rocha martins disse...

mais do que sentido ,o meu beijo tem o gosto agri.doce das cerejas



.
um beijo

Meg disse...

...mas os teus olhos
...
ousam rasgar nas sombras
breves instantes interditos
desnudam-se em centelhas
e outras claridades
...

É um prazer ler os teus poemas...

Um abraço

AnaMar (pseudónimo) disse...

Olhos de cereja em pássaros livres de tanto olhar...e voar.
Palavras belas num poema a inventar.
Bj

Graça disse...

Belo, o olhar... e a folhagem de palavras.

Beijo meu

Licínia Quitério disse...

Saber ver além do olhar. Sedutora cadência do poema, como olhos verdes e cerejas maduras.

Paula Raposo disse...

Através do PreDatado venho aqui. Julgo nunca te ter comentado, ou sequer visitado. Tenho estado a perder, portanto, poemas lindos! Claro, agora não os perderei, porque voltarei. Beijos.

Laura disse...

Intenso, como sempre.