sexta-feira, 19 de setembro de 2008

OCULTA NO GRASNAR DAS AVES

Os barcos ainda não tinham
abandonado o chão das águas
já vergavas o corpo
na corda tensa
enterravas os pés
e deixavas os peixes saltarem
nos teus olhos prateados
Exilada no próprio corpo
emerges deusa quase perfeita
ao pôr do sol
num desencontro de preces

mas só quando a deshoras

te abres em flor e desnudas

entregas o resto das forças

a um beijo

adormeces oculta

no grasnar das aves

27 comentários:

Mel de Carvalho disse...

no grasnar das aves. nunca me teria ocorrido.
correndo o risco de me repetir direi que gosto particularmente da sua lírica e que lhe sou grata pela partilha.
Excelente fds e, claro, de semana de trabalho.

Saudações da Mel

CNS disse...

O sabor de sal do teu Português. Bem hajas.

Maria P. disse...

Que maravilha.

Beijinho*

samuel disse...

Como um filme... muito bonito!

Abraço

mariam disse...

sublimação da mulher, neste escorrer de palavras...lindo!
~~~~
a última frase do belíssimo poema infra, é impressionante
"meu amor no fim do nada
vamos construir um barco"
até dei um suspiro! no fim eu também quero um amor assim!

bom fim-de-semana
um sorriso :)

mariam

(tenho sido pouco assídua... mas a falta de tempo, não me tem permitido!sorry.)

hfm disse...

Sempre em crescendo estas palavras poéticas!

jrd disse...

Lembrei-me de Soeiro e de Raul Brandão. Não sei porquê ou talvez saiba.
Magnífico!

Ana Paula disse...

O amor pertence a todos. Mas é mais difícil para aqueles que trabalham arduamente. E, por isso, muito mais belo!

:)

Justine disse...

Retrato doce e empolgante, o que compões com as tuas palavras cheias de compaixão e maresia.
Feminino, como a força do mundo.

Caçadora de Emoções disse...

Belo poema!
Um bom início de semana.

Um sorriso :)

Donagata disse...

LIndíssimo, mar arável. É um prazer redobrado cada vez que se lê.
Uma boa semana

isabel mendes ferreira disse...

respiração de ave...?!


mais alto é mais seguro...:)


beijo.



obrigada)

Sérgio Ribeiro disse...

POema a merecer a foto do Gageiro
(e vice-versa)

e também um abraço

Teresa Durães disse...

lindo poema!

Graça Pires disse...

Belíssimo poema para fantástica fotografia.
Um abraço.

gabriela rocha martins disse...

poema / canção

num canto

mais elevado


jogo perfeito de imagem / palavra




.
um beijo

maria josé quintela disse...

insondáveis mistérios no grasnar das aves...




um beijo.

Maria Laura disse...

Belíssima linguagem poética. Passa o mar nos teus poemas.

Dois Rios disse...

Olá,

Obrigada pelo carinho da sua visita.

Belíssimo poema. Um exílio num mar de amor.

Beijo.

Inês



São disse...

Muito lindo!
Abraços.

Orlando Gonçalves disse...

Cheirei o mar com este poema e pensei nas mulheres dos pescadores e pensei em todos aqueles que por lá ficam. E gostei muito.

mdsol disse...

Depois de tantas palavras certas deixo só o meu
:))

Utopia das Palavras disse...

Lindo este poema. Um título que tem tanto de doçura, como de força!

beijo, amigo

Lena disse...

O poema é lindo
a ver a foto, pensei logo no "meu mar" : a Nazaré...voltei anos atraz...

Um beijo

Mié disse...

belo poema de amor

em canto de aves!

um beijo

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Amigo, simplesmente maravilhoso!
Bela poesia... Beijinhos de carinho,
Fernandinha

isabel mendes ferreira disse...

um dia......um dia o rio desceu sobre a mesa. das sílabas.


um dia gostava de dizer assim.


:)


_________