terça-feira, 5 de junho de 2007

ACORDAR O SILENCIO

pg-jazz










NO AR QUE SE RESPIRA







SEMPRE FICAM MARCAS







PERFUMES GESTOS E PASSOS











ATÉ O PÓ







GANHA SENTIDO









QUANDO POISA









DEVAGAR









PARA ACORDAR O SILENCIO

11 comentários:

hfm disse...

Gostei muito do que aqui vim encontrar.

Sofia Loureiro dos Santos disse...

Muito bonito mesmo.

hfm disse...

Do lado de cá tb deve haver um grande deserto a contar pelos camelos que nos governam!

Anónimo disse...

Respiro
Leveza.
Muita leveza!...
Neste
Tão belo
Quanto pequeno
Poema
Que nos acaricia
Docemente!...
Princesa

João Carlos disse...

Do pó viemos e para o pó iremos.

Até lá, acordemos o silêncio e sacudamos as sombras que nos pesam, como chumbo.

Depois... talvez sejamos livres.

João Carlos

jrd disse...

Muito Bom!
É o som da poalha do (novo) tempo.

Maria disse...

Lindo...
... gostava de ter escrito este poema...
... só o senti, agora, quando TE li.

Licínia Quitério disse...

Muita serenidade.
Assim se quer o acordar do silêncio.

Alexandre disse...

O silêncio também se acorda... porque o silêncio é o princípio, é o fundamental... adoro o silêncio, respiro silêncio e grito bem alto por ele (o silêncio!)

chapa disse...

Gostei de te encontrar aqui!

MARIA VALADAS disse...

Não quero acordar o teu silêncio... e em silêncio retiro- me!

Bom fim de semana

Abraço da

maria