sábado, 19 de junho de 2021

A NOSSA ROMÃ

 


Nesta ilha de jangadas imperfeitas, as romãs abriam os  lábios,
explodiam multidões.
Os cães adivinhavam o brilho dos relâmpagos e tu caías abrupta
nos meus braços.
Quando te ouvi assim a cair dos céus, desamparada a lubrificar a terra,
não sabia o teu nome, muito menos como te beijar os pés.
Quando te vi assim pendente, incolor, nua de tudo, chamei-te chuva,
um qualquer nome - e tu chegaste a cântaros, tão líquida por entre os meus dedos.
Recebi-te quase ninfa , de braços abertos na minha escarpa e assim ficámos
vagarosos instantes a respirar eternidades.
Ainda hoje não sei quem és senhora.
Trazias nos cabelos um mar desgrenhado a derramar estrelas, um cântico 
sibilino, barcos do outro lado do cais.
Escancarei as janelas, acendi um fósforo no alpendre da casa, e tu lá estavas
sem muros nem amos, a cantar.
Se tivesse que te desenhar faria um gesto, um risco a carvão no ar
que respiramos, bebia-te às mãos cheias,
mas deixaria na tua árvore preferida - uma romã.


Eufrázio Filipe

19 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Gostei bastante!! :)
-
Traço as linhas do meu horizonte
-
Beijos, e um excelente fim de semana.

Ailime disse...

Um poema belíssimo!
A chuva é um bálsamo benfazejo.
Beijinhos e bom fim de semana.
Ailime

Janita disse...

Uma prosa poética que se lê de um só fôlego, para voltarmos
atrás e ler docemente, de novo. Tão bela e doce quanto o sabor doce de uma romã madura.

Parabéns, Poeta.
Um abraço.

Elvira Carvalho disse...

Lindíssimo.
Abraço, saúde e bom fim de semana

Agostinho disse...

Escorre-nos pelas mãos
a felicidade líquida
incontida na poesia lida
que se deixa tocar
Pasmados

Abraço.

Maria João Brito de Sousa disse...

FORTE ABRAÇO, E.F.!

A Paixão da Isa disse...

muito bonito bjs saude

Graça Pires disse...

Chamei-te chuva. Recebi-te na minha escarpa. Bebi-te às mãos cheias... Um poema de amor lindíssimo e tão do meu gosto.
Cuida-te bem meu Amigo.
Uma boa semana.
Um beijo.

maceta disse...

Como decifrar exactamente os meandros do pensamneto?
A poesia tem destes mistérios até mesmo para quem lhe lê a fluidez...

Teresa Almeida disse...

É um poema que se recebe e se tateia.

Grande inspiração!

Abraço.

saudade disse...

Poema magnífico. Chuva e seus encantos. Beijo

" R y k @ r d o " disse...

Poema brilhante que me fascinou ler
.
Cumprimentos poéticos
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

Ana Tapadas disse...

Excelente!
Torrencial e exuberante como uma chuva inesperada.

Beijo

Jaime Portela disse...

Apesar de abrupta... as palavras nem se molharam.
Excelente.
Bom fim de semana, caro Eufrázio.
Abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...


A criatividade aqui!
A cair como chuva.
Ou linfa pura e bruta.
Tão belo isto!
Um bom fim-de-semana com paz e saúde.
O resto vem por acréscimo.
Beijinhos

:)

AC disse...

Encantar a vida é uma arte. E tu és um artista que prezo, Meu caro Eufrázio.

Grande abraço

Canto da Boca disse...

Um poema incontornável, realçado pela sua insuperavelmente bela inspiração!

Me deixou sem fôlego!

Beijinhos, Eufrázio.

:)

lupuscanissignatus disse...

Escorreito, límpido e musical como uma clave de sol.

Ana Freire disse...

Em determinados pontos do mundo... vale mais que ouro!
Magnifico poema, exultando algo, que é tão precioso como a vida... pois contem a própria vida...
Excelente momento poético! Um grande abraço!
Ana