quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

OS NOSSOS MILAGRES







Muito antes da casa
aqui passava um rio

nas margens
cohabitavam romãs

simplificando

aqui nas paredes da casa
não passa um rio
não há romãs

mas de tão desejadas existem

repartem-se como pão
bago a bago
nas nossas bocas

e assim aprendemos
com as mãos
os nossos milagres

tão fáceis de explicar


eufrázio filipe


16 comentários:

Rogério G.V. Pereira disse...

É verdade
com as mãos se aprende
com as mão se dá

Neste Mundo
são as mãos que explicam tudo

Agostinho disse...

Bom dia, Eufrázio!,
por aqui, o néctar
decantado da poesia.

O rio, a casa, paredes...
e mesa e cama por dedução
Dispondo tudo à mão
de semear sobra tempo
para gestos verdes
e maduros habituais
de comer e beber da vida
O essencial
E no fim dizer não
não foi em vão

Abraço

Sam Seaborn disse...

A vontade é algo de poderoso...

Belas palavras num cenário perfeito.

Abraço

saudade disse...

Os nossos milagres, as coisas acontecem como as desejamos.
Bom resto de semana.

Pedro Luso disse...

Gostei doste seu poeta, caro Eufrázio. Muitas casas ficam perto do leito seco de um rio, com saudade da água, que por ali passava.
Um abraço.

Ailime disse...

Milagres que falam de amor.
Um poema belíssimo.
Beijinhos,
Ailime

Janita disse...

As histórias de amor contam-se em mármore, em palavras faladas e escritas, mas as mais emocionantes, são contadas por linguagem gestual.

Bonita, a sua, Poeta!

Um abraço.

Teresa Almeida disse...

Gostei. Seja verdade ou imaginação, é um poema muito belo.

Beijo.

Elvira Carvalho disse...

Quando o desejo é grande, o sonho realiza-se.
Abraço e ótimo domingo

Ulisses de Carvalho disse...

Expandir a mente com perguntas para que nela caiba mais mundo, sempre, assim se expande a alma também! Um abraço.

Graça Pires disse...

Reinventas tudo o que pode pressagiar a beleza e a esperança, Por isso as tuas palavras são esse milagre fácil de explicar.
Uma boa semana, meu Amigo.
Um beijo.

Teresa Durães disse...

Um poema lindo!

manuela barroso disse...

Imagem e ficção tão intensamente vividos que nos fica a escultura no desenho das palavras e na cor dos bagos da romã.
Poema belíssimo!
Beijinho EF

Gracita disse...

O doce néctar da poesia a embriagar os sentidos
Um abraço

teresa dias disse...

... e eu acredito na voz do poeta!
Belíssimo!
Beijo!

Majo Dutra disse...

A tua poética é muito bela, esconde em imagens suaves, sentimentos ardentes.~
Beijo
~~~