segunda-feira, 5 de novembro de 2018

PALAVRAS VERTEBRADAS





Benditas as palavras vertebradas
silaba a silaba
o canto das folhas desamparadas
no alpendre
o uivo dos cães
a clarear sombras

este perfume de mostos
chuva lábios e pedras

este marulhar desabrido
à nossa porta
na livre circulação do vento


eufrázio filipe

17 comentários:

Daniela disse...

Lindo!
=)
Bjinhos e noite quentinha
Por aqui com, Beleza rompendo o céu

luisa disse...

Sílaba a sílaba, se erguem as palavras no poema, resistentes à circulação do vento. :)

Rogerio G. V. Pereira disse...

(belo, isto!)

Majo Dutra disse...

Também as acho louváveis, tal como este expressivo poema.

manuela baptista disse...

marulhar bendito!

Elvira Carvalho disse...

Muito, muito bonito.
Abraço

Lua Azul disse...

E bendito o poema, todo ele vertebrado!
Boa continuação de semana!

Ailime disse...

Com essas palavras benditas a poesia emerge.
Poema belo e profundo.
Beijinhos,
Ailime

Pedro Luso disse...

Boa noite, Eufrázio,
parabéns pelo ótimo poema.
Um bom fim de semana.
Abraço
Pedro

teresa dias disse...

"Benditas as palavras vertebradas."
Lindos versos poeta!

(Eufrázio, é um gosto ver palavras suas no meu "Pétalas de Sabedoria". Espreite!)
Abraço e bom fim-de-semana.

Teresa Durães disse...

Palavras que enrolam segredos

Pedrasnuas disse...

Senti uma fresca aragem.

Pata Negra disse...

Estou aqui a tentar encontrar uma palavra invertebrada e nada... chuva... vento... ah! já sei: borboleta!
Um abraço da minha porta

Julia Tigeleiro disse...

Tão lindo.

Agostinho disse...

vertebradas são todas
as palavras
especialmente se inveteradas
de que o Poeta bendito fez
rosário de boca em boca
num círculo que circula
depois
para remissão de incréus


Abraço

Graça Pires disse...

Benditas as palavras do teu poema, meu Amigo!
Um a boa semana.
Um beijo.

manuela barroso disse...

Perfume e poema~.
Tanto para tão poucas palavras!
Bji, EF