domingo, 11 de junho de 2017

ÍNGREME O CAMINHO DAS PEDRAS




Estavam no cais
os barcos de remelas
etéreos
quando partimos
por sobre as águas
sem fim à vista

foi assim

lá onde os olhos sem amparo
de consentem demorados
assistimos à passagem
de um sopro de vento

Neste leito de sussurros
a primeira chama navegava
todos os degraus da escarpa

foi assim

tresmalhadas as pátrias
chegámos à fala
de mãos dadas
no íngreme caminho das pedras

Eufrázio Filipe
"Chão de marés" editora Lua de Marfim

11 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Fantástico poema!! Amei

Hoje é o aniversário da minha Princesinha. Venha comer uma fatia de bolo

Beijos e bom Domingo.

Graça Pires disse...

De mãos dadas pela tua escarpa...
Uma boa semana.
Um beijo.

Já tenho o teu livro. Só ainda não tive tempo de lê-lo. Há-de chegar a vez dele e sei que gostarei.

Laura Ferreira disse...

boa semana, Mar :)

Agostinho disse...

O Poeta canta uma canção
figurada: o "caminho
das pedras" e do talento
Os barcos arfavam alento

Abraço.

Marta Vinhais disse...

O caminho da Vida.... Por vezes, cheio de pedras e íngreme...
Mas chegamos lá....
Beijos e abraços
Marta

anamar disse...

Belo.
Beijo

graça Alves disse...

Uma escrita concisa e bela.
beijinho

JANE GATTI disse...

Uma bela foto, em que as pedras parecem polidas pelo tempo. Um sugestivo poema a evocar a partilha essencial à vida. Abraços.

Odete Ferreira disse...

Talvez por ser íngreme é que vale a pena percorrê-lo. Tal como a tua imagética poética.
Bjinho, Filipe

Silenciosamente ouvindo... disse...


Eu também percorro a sua escarpa.

Abraço, amigo.

Irene Alves

Ailime disse...

É por caminhos íngremes que se constrói a vida!
Magnífico poema!
Bjs
Ailime