sexta-feira, 31 de outubro de 2014

NOS LÁBIOS REPARTIMOS O PÃO







Desbravadas as sombras do cais
construímos um barco
e partimos
em ressonâncias poéticas
quando o mar inteiro
já nos corria as veias

construímos um barco
para rasgar o vento
soltar o pássaro que nos voa
a primitiva chama

ousámos transgredir
por sobre as águas

repartimos o pão
nos nossos lábios



25 comentários:

Arco-Íris de Frida disse...

soltar o pássaro que nos voa
a primitiva chama

Lindo esse repartir o pao...

Catarina disse...

Chagall - o poder do amor.

Janita disse...

Este belo poema bem ao estilo Mar Arável, sugere-me a celebração de um acontecimento importante na vida do poeta.
O plural na construção verbal, tanto no repartir do pão, como do barco que vai rasgar o tempo, contra ventos e marés, diz-me a minha intuição que o momento é de festa.
Se acrescentarmos, a bela tela de Marc Chagall com o título 'aniversário', temos o poema completo!
Parabéns e felicidades, Eufrásio, pelo poema e por tudo...:)

Obrigada, também!

Um abraço.

Majo disse...

~
~ Poesia melódica e de um lirismo belo e muito humano.

~ ~ ~ ~ Tempo de doar e partilhar... ~ ~ ~ ~

Rita Freitas disse...

Sensação de liberdade!

bjs e bom fim de semana

trepadeira disse...

Havemos de repartir o pão que nos querem roubar.

Abraço,

mário

Mar Arável disse...

Senhor/a anónimo/a

que de quando em vez entende
vandalizar o meu espaço
sem dar o rosto

Entendi hoje dirigir-lhe uma palavra
apareça sem medo no lançamento do meu próximo livrinho de poemas

Peço desculpa aos amigos
por estar a responder a um/a fantasma
Admito que já tenham passado por estas fezes.

Andrea Liette disse...

Caro Eufrásio,

Uma partilha consagrada de poesia !
Um beijo.

Andrea Liette disse...

Uma partilha consagrada de poesia.
Abraço.

jrd disse...

Que melhor viagem do que a que nos oferece beijos de água e de pão?

Abraço meu irmão

heretico disse...

transgredir sobre as águas e soltar os ventos.

muito bem.

abraço, meu irmão Poeta

Lune Fragmentos da noite com flores disse...

Duas alegorias poéticas que emanam grandes sentimentos.

Agostinho disse...

A arte de marear a verdade:
o cais, o mar, o barco.
A romper rumo à liberdade:
As veias, o vento, o pássaro.
A partilha da fraternidade:
a chama, o pão, os lábios.

Olinda Melo disse...


Dos lábios o sorriso,dos lábios o beijo, dos lábios a palavra e também...o pão.

Um manancial de possibilidades no mar da vida, em que poderemos ousar viajar ao sabor das ondas.

Belo poema, caro Mar.

Abraço

Olinda

Ana Tapadas disse...

Um estilo que já não confundo...BELO!

bj

Helena disse...

Quando tenho um tempinho a mais gosto de ler também os outros comentários e devo confessar que fico indignada quando uma pessoa se esconde atrás da máscara do anonimato para soltar "fezes", como bem disseste, pois só pode ser estrume o que sai da boca e das mãos de uma pessoa que usa desse recurso para manchar um espaço. Abomino pessoas assim! Mas acredite, nenhuma torpeza poderá atingir os teus passos cobertos pela poesia, o teu olhar inundado de tantos versos ou o teu chão salpicado de estrelas.
Enfim, o que importa é aquilo que registras para o olhar dos amigos e admiradores, e o teu poema de hoje é simplesmente maravilhoso! O mar a correr nas veias, barco que rasga o vento, pássaro que voa em liberdade... Tudo com direito a transgredir por sobre as águas simplesmente para repartir a dádiva do pão em lábios amorosos.
Que teu domingo seja de sorrisos e a tua semana iluminada de estrelas, como tu bem merece, amigo!
Com carinho,
Helena

Graça Pires disse...

Ousar transgredir... É de Poeta.
Um beijo.

Suzete Brainer disse...

Nos lábios repartimos o pão,
o amor como o alimento da vida
que nos possibilita construir
os meios (poéticos) da
travessia e as vezes a
"transgredir por sobre as águas"...

Um poema muito além da beleza,
com a imagem escolhida
fantástica. Bjs.

Isa Lisboa disse...

Obrigada por repartir o pão e a sua poesia! :)
Um abraço

Evanir disse...

Sua amizade sempre foi muito importante para mim
sem duvidas acredito ter lutado muito nesses anos
embora poucos estavam comigo a quase dez anos atrás.
Hoje estou passando para deixar um
pouco do perfume que ficou no frasco.
Embora tenha capacidade de entendimento,
que passado é perfume de primaveras mortas.
Agradeço por tua amizade tão especial,
e por me fazer sentir que ainda sou
alguém com quem você se importa.
Deus te abençoe ..sempre..
Um abraço grande ,
e especial.
Com muito carinho.
Evanir.
Tenha uma linda ,
e abençoada semana..
Eu amo vir a seu blog gosto imenso.
Em 14 de Julho 2013..
Hoje posso chamar de ano dourado..
Estou matando saudades!!

Ailime disse...

Belíssima construção!
Beijinhos,
Ailime

Maré Viva disse...

"Repartimos o pão nos nossos lábios!
É uma frase linda e profunda.
Que assim se faça, o pão foi feito para repartir!

Um abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

ousar é apanágio do Poeta

e transgredir também.

belíssimo!

:)

Andrea Liette disse...

Voltei para corrigir o engano de um nome: um abraço, poeta Eufrázio.

Teresa Almeida disse...

Quando o mar já corre nas veias, a viagem só pode desviar-se das rotas mais comuns.
São tão sedutores os versos que escorregam desse barco!
Beijo.