sábado, 26 de julho de 2014

HOJE AS PALAVRAS NÃO ESTAVAM INTACTAS



 
                                
                                Luís Filipe Garcez professor de musica clássica com a Ana Filipe sua filha




Quando abraçavas a guitarra
tinhas nas mãos
um sol de mãos cheias

os pássaros desciam à terra
em pleno voo
e o silêncio calava-se
para ouvir improvisos
trinados de outras vozes

dilatavas as veias
como um rio sem margens
para o sangue correr
até à fímbria do mar

mas hoje as palavras
os sons e os pássaros
não estavam intactos

faltava-lhes o teu olhar


 

20 comentários:

GarçaReal disse...

Apesar de faltar o olhar,havia o trinar belo de uma guitarra , que amaciava essa falta.

Muito belo

Bjgrande do Lago e bom fim de semana

Majo disse...

~
~ ~ ~ Simplesmente magnífico. Poeta. ~ ~ ~

~ ~ Adoro um tocante trinado de guitarra. ~ ~

~ ~ Aprazíveis e inspiradores dias estivais.~ ~

Rosa dos Ventos disse...

Canta-se sempre para alguém!

Abraço

Isa Lisboa disse...

Uma linda melodia não substitui um olhar... Mas ajuda a apaziguar a saudade...! :)
Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

(bonito, isso)

ana disse...

Um regresso assaz interessante.
Bom regresso.:))

Mar Arável disse...

Rogério

Não deixamos morrer os nossos mortos

muito menos o meu irmão Luís
o do meio

MJ FALCÃO disse...

O olhar fica preso para sempre, nada faz desaparecer o que se viu um dia e se amou, não é?
Bela imagem! Abraço

Lilá(s) disse...

UM TRINADO DE GUITARRA SEMPRE ME TOCA E FAZ-ME RECORDAR MEU PAI...
BJS

Janita disse...

Quando o olhar já partiu, não há palavras inteiras, pois estão entrecortadas pela emoção.
Fica a música intacta, sempre!

Abraço, Poeta inteiro!

Irene Alves disse...

Fica sempre, e o amigo com o
seu maravilhoso poema disse
imenso.
Desejo que esteja bem.
Bj.
Irene Alves

Ailime disse...

Um olhar que partiu, perpetuado na obra e no coração dos que o amavam!
Abraço,
Ailime

heretico disse...

uma dor finíssima repassa música do poema.

abraço, meu irmão

Agostinho disse...

Apesar de não intactos, são tanto,
palavras sons e pássaros
preenchem a noite de espanto,
o coração guarda a imortalidade
na memória, a paz a saudade.

© Piedade Araújo Sol disse...

apesar da falta do olhar e quiçá de uma presença, talvez a música atenue essa falta...

a dor essa será eterna com ou sem música.

um abraço sem palavras.

beijo

:)

Graça Pires disse...

Um olhar que ficou no coração...
Um poema muito belo.
Beijo.

Salete disse...

Conheço essa dor...

Belo!

Maria Luisa Adães disse...

Não estava intacto...

Faltava o olhar de alguém que se ausentou

E deixou a beleza do poema a divagar
e eu cheguei e amei!

Maria Luísa

Graça Pereira disse...

Demasiado lindo...Parabéns!
Beijo
Graça

Jane Gatti de Campos disse...

A música é uma conquista, cada acorde um carinho... Como sempre, um belo poema. Abraços.