quinta-feira, 17 de abril de 2014

À PERGUNTA DE OUTROS MARES



                                                                 " Chão de claridades "



Quando foi urgente criar um deus
as uvas ainda não estavam maduras
no corpo das videiras

inocente subiste ao púlpito
das vinhas decepadas

improvisaste um sermão
ergueste o cálice
e a companha exausta aprendeu
que nada é perfeitamente inútil

após as vindimas
bebemos do mesmo vinho

foi quando enfunaste as velas
começaste a despontar relâmpagos
nos mastros mais altos

quando afloraste o chão com um beijo
partiste sem destino
por sobre as águas revolto

à pergunta de outros mares


 

25 comentários:

Lídia Borges disse...


Dos milagres, em forma de poema...

Um beijo

manuela baptista disse...

para mim
é urgente deus

à pergunta, quando brindarmos todos de um mesmo copo,
acabamos de chegar

bonito o seu poema

Magia da Inês disse...

✿⊱°•
Muito lindo e expressivo!...

F░E░L░I░Z

P░Á░S░C░O░A !!!
¸.•°✿✿º°。

jrd disse...

A poesia feita metáfora, voltará sempre dos mares distantes para partilhar o vinho e o chão.
Abraço fraterno Poeta

O tempo das maçãs disse...

Tudo é cíclico mesmo quando são outros os mares.

Beijo e boa Páscoa.

José María Souza Costa disse...

Olá.

Passeando por aqui, para desejar-te um período Pascal com: alegria, saúde paz, e muita reflexão.
A Família, continua e continuará, sendo a sustentação deste grande arco humano, que chamamos de relacionamentos.
Um abraço fraterno.

Rogerio G. V. Pereira disse...




Mar adentro
que te seja favorável
o vento

Laura Santos disse...

Quando se bebe do mesmo vinho nem são precisos deuses.
xx

Olinda Melo disse...


Realmente, nem tudo é inútil. Dos nossos actos, da nossa vontade há sempre algo que fica e, quem sabe, quando menos esperamos não surgirão frutos suculentos.

Abraço

Olinda

Observador disse...

Excelente texto, meu caro.

Um abraço com votos de uma boa Páscoa.

Ana Tapadas disse...

Foi urgente um belo poema, onde os deuses foram metáfora dos homens...

Beijinho

Pedrasnuas disse...

" Após as vindimas bebemos do mesmo vinho"

Arco-Íris de Frida disse...

à pergunta de outros mares... e de outro deus?

Vento disse...

Páscoa é Ressurreição,
Abril também será!
que te sejam felizes à medida que desejas, Eufrázio.

beijo.

Agostinho disse...

Porém, veio o inverno
queimar as esperanças de Abril.
Sairemos deste inferno
esta Páscoa?
Não há néctar no redil?

Silenciosamente ouvindo... disse...

Precisamos mesmo de ir à procura
de outros mares.
Tudo de bom para si amigo.
Bj. Boa Páscoa.
Irene Alves

Lilá(s) disse...

Hoje venho desejar uma:

P░Á░S░C░O░A •°✿✿º°。 F░E░L░I░Z

Beijinhos

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Poeta

Hoje passando para desejar uma Feliz Páscoa , plena de amor e paz, junto de todos que te são queridos.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Suzete Brainer disse...

Sempre a liberdade dos

questionamentos,navegando

sobre todos os mares

na partilha e unidade cíclica...

Este teu mar poético

sempre encanta!

Bj.

ana disse...

Felizmente há sempre outros mares.
Muito bonito e tem que se lhe diga.
Abraço!:))

Teresa Almeida disse...

Deveria esperar um tempo maduro para que um beijo no chão fosse o sinal de partida para outras demandas.

Graça Pires disse...

Que o vento fique de feição e que possamos brindar o mesmo vinho...
Beijo.

Ailime disse...

Belíssimo poem que me transporta a outros cálices! Bjs Ailime

© Piedade Araújo Sol disse...

alusivo à data...

que se cumpram as escrituras...

:)

EU disse...

Não há um tempo para se criar um deus, metáfora de algo que nos impulsiona e/ou responde a questionamentos. Assim, determinados partimos no sonho, no voo e farejamos o desconhecido...
Bebi, com deleite, este vinho/poema.
Bjo, (de) Mar :)