sexta-feira, 28 de junho de 2013

NA ESCURIDADE DAS MARÉS VIVAS






No entardecer da praia-mar
desprendidos barcos
invadiram a rota das águas

hastearam-se em coro
num sonho navegável

Povoadas as margens
quando de novo
as palavras sangraram
na escuridade das marés vivas

um pássaro poisou
nas tuas mãos
para o levares aos lábios


 

10 comentários:

Tétisq disse...

muito bonito!

gosto muito da palavra 'escuridade' mais do que escuridão vou passar a usar. A escuridão tratada assim é menos negativa e aterradora ...

Rogério Pereira disse...

"hastearam-se em coro
num sonho navegável"

Eu sei. Eu vi...

trepadeira disse...

"As palavras sangraram",como ondas revoltas.

Abraço,
mário

quem és, que fazes aqui? disse...


Na escuridade, um " sonho navegável" é ainda possível... como o poisar de um pássaro.

Beijo

Laura

heretico disse...

mãos (e lábios) como bálsamo. no percurso das marés vivas...

assim os barcos prossigam indomáveis.

abraço, Poeta.

jrd disse...

E foi quando as palavras ganharam asas.
Abraço

© Piedade Araújo Sol disse...

...se um pássaro poisou, então ainda há vida e nas águas outros barcos irão navegar...

_:)

GL disse...

As marés vivas podem ser preságio de morte, mas são, sem dúvida prenúncio de mudança.
Que voem os pássaros!

Abraço

Fa menor disse...

Porque às vezes é preciso remar contra a maré...

Canto da Boca disse...

É belíssima a imagem dos barcos chegando ao entardecer, e mãos a oferecerem beijos e pássaros...


Beijo!