sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

ACORDAR RELÂMPAGOS





Mesmo que fossemos rios subterrâneos
à sombra dos choupos
sem impecilhos de pássaros

queria um mundo
para as águas soltas
desaguarem em liberdade

transformarem pedras
em obras de arte
searas azuis
ressonâncias cúmplices
movimento de marés e lábios
no bojo dos barcos

Mesmo que fossemos rios subterrâneos
queria partilhar esta sede
acordar relâmpagos
nos mais íntimos desertos

e tudo acontecer




43 comentários:

www.amsk.org.br disse...

Foi muito bom vir aqui e ler.
Obrigada pelo minuto.

bjs

BlueShell disse...

Precisamos mesmo de "abalar" as consciências adormecidas..."acordar relâmpagos"!
BJ

hfm disse...

Ritmo e poética de cortar a respiração.

Mirian Martin disse...

E coisa gostosa é ver pequenas nascentes formando filetes de água abrindo caminhos próprios, descobrindo outros mundos, trazendo vida nova aquilo que já era pedra.

Teresa Durães disse...

e nesse acontecer, explosivo, um mar de sensações

trepadeira disse...

Mesmo que subterrâneos acordarão os relâmpagos.

Um abraço,
mário

MariaJB disse...

Escreve maravilhosamente.
Obrigada.

Isabel disse...

Sempre
tudo pode acontecer

um beijo

jrd disse...

É preciso iluminar o caminho. É urgente a luz!

Abraço

Baby disse...

"Acordar relâmpagos" é preciso, para que as consciências acordem!

Beijos.

antónio ganhão disse...

A poesia acorda-nos como um relâmpago na noite... de beleza igual.

lino disse...

...e tudo acontecer, principalmente a liberdade!
Abraço

Sara disse...

Numa altura em que recebemos notícias acerca de acções de censura, o grito a favor da liberdade é sempre uma necessidade e uma responsabilidade.
Obrigada por isso.
Bom fim de semana.

Agulheta disse...

Sim para além de acordar os relâmpagos,devemos acordar as consciências de igual modo,para acordarem enquanto se tem tempo,gostei das palavras.
Abraço e bfs

Sônia Brandão disse...

A poesia acontece.

bj

Rogério Pereira disse...

a sede é a mesma
da agora partilhada

acordemos então relâmpagos
e façamos acontecer

mfc disse...

Quem dera que tudo possa acontecer...!

Lídia Borges disse...

Águas transbordantes na urgência de um acontecer, rios à superfície do querer.



Um beijo

Pata Negra disse...

Nem sequer temos direito à margem do rio e o ruído não nos deixa ouvir os pintassilgos! Acordar relâmpagos?! Tomara que chova!
Como vês não tenho jeito para comentar poesia mas um abraço arranja-se sempre

ana disse...

Mar Arável,
Num mundo em que querem aprisionar as águas, este grito colectivo acorda os pássaros!
Bem haja por lembrar a liberdade!
Bj.

Justine disse...

Rios deixarão de ser subterrâneos; a sede já está a ser partilhada; relâmpagos irão ilumimar-nos! O poeta assim o profetisa, e quem melhor que os poetas para adivinharem o futuro...

Canto da Boca disse...

Que o céu se rasgasse em intermitentes relâmpagos, e a luz passasse nas camadas mais abissais das águas, inundassem desertos e outro mundo (dos vossos, dos nossos desejos), mais justo, mais feliz e mais humano, acontecesse!

Fernanda disse...

Um desejo lindo, no mínimo.

Beijo meu.

Parole disse...

Dá medo acordar os relâmpagos...

Bjs

BRANCAMAR disse...

Às vezes não sei que dizer perante tão boa poesia.

Chego aqui e fico, leio uma, duas vezes e volto e encontro a profundidade enorme de uma cumplicidade entre o amor e a cidadania, de uma paixão entre o fulgor dos sentidos e a entrega a outras causas, onde no mesmo acto em que tudo pode acontecer, também tudo pode ser o mesmo amor, a mesma complementaridade, quando dois seres vivem a mesma entrega à Humanidade e a partilham. É difícil dizê-lo, mas lê-se e é fácil sabê-lo, quando já se passou por essa cumplicidade.

É interessante como a sua poesia reflecte aspectos da terra a que dedicou tantos anos da sua vida, rios, choupos, barcos e tantas coisas mais.

Saio encantada.

Beijos

Fê-blue bird disse...

Meu amigo ainda não perdi a esperança e o desejo deste despertar.

Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

O querer pode não ser suficiente para que as coisas aconteçam, mas é necessário.
Excelente poema, gostei.
Caro amigo, tem uma boa semana.
Abraço.

www.amsk.org.br disse...

Obrigada pela companhia

http://cozinhadosvurdons.blogspot.com/2012/02/um-poema-no-almoco.html

bjs nossos

© Piedade Araújo Sol disse...

e tudo pode acontecer...

sempre belo o que escreves....

uma boa semana!

um beij

poetaeusou . . . disse...

*
é noite,
os relampagos,
iluminam o rio,
que desliza com mansidão,
para a foz do nosso desespero,
até quando ?
,
conchinhas muitas, ficam .
,
*

Maria Campos disse...

E se tivessemos uma varinha de condão?...
Partilho dos seus desejos, Mar Arável!
Fique bem!

São disse...

Um dos teus melhores poemas, na minha opinião.

Abraço grande

Marta disse...

E que tudo aconteça nesse despertar na voz poderosa do Vento...
Um poema maravilhoso...
Obrigada pela visita ao Minha Página...
Até já..
Beijos e abraços
Marta

**♥✿Franciete-✿♥** disse...

O meu silêncio lhe entrega beijinhos de luz e paz na vida...

Fa menor disse...

E podemos. Podemos fazer acontecer... se não um relâmpago, ao menos uma pequena chama que ateará outras chamas...

Bjos

irene alves disse...

Então não é que já somos dois a
estar de acordo "pela 1ª. vez" com
o V.G.M.
Como sempre uma excelente poesia.
Tudo de bem consigo.Desejo que sim.
Bj.
Irene

intimidades disse...

poderoso

Bjinhos
Paula

Vítor Fernandes disse...

Os rios subterrâneos também t~em direito À liberdade.

VÉU DE MAYA disse...

Deixo.te um abraço, poeta, depois de ler o teu poema.

Véu de Maya

:.tossan® disse...

Profundo! Belo! Como deve ser bom saber escrever assim!

oasis dossonhos disse...

O prazer de te ler é como o sol destes dias: suavidade que ameniza o frio. Bem Hajas pela luz que irradias, pelo voo magistral das palavras. Abraço
Luís

helia disse...

Um Poema muito bonito ! Gostei de visitar o seu blog

Sopro Vida Sem Margens disse...

...quando somos cúmplices do poema...
tudo acontece...


Bom fim de semana Poeta