quarta-feira, 13 de julho de 2011

NEM TODOS OS CÃES SÃO DE BARRO (2)

                                        publicado no meu "Caçador de Relâmpagos"  (reconstruído)

                      

... conduzia na estrada do Barranco do Bebedouro - serpenteada, estreita, iluminada pela lua cheia.
De repente, um vulto na minha rota que não pude evitar. Só o vi pelo retrovisor.

Ao contrário do que se diz, as fotografias não substituem as palavras mas esta sangrou-me.

Sai do carro e ajoelhei-me junto do animal, um rafeiro alentejano lindo, que ainda me olhou nos olhos e disse baixinho

- Camarada mataste um cão sem dono.

A lua cheia inundava o silêncio e eu levei-o ao colo para o interior do carro.

Quando cheguei a casa, só pude fazer o que fiz. 
Chamei o Dique e encarreguei-o de convocar todos os cães da aldeia. 
O funeral foi marcado para a meia-noite. 

Todos compareceram 

Solidários,  amigos mais corajosos ofereceram-se para escavar a sepultura num canto da horta, onde espontânea medra a hortelâ.

Todos reunidos no silêncio quando um uivo comovido despoletou em choro.

Só o Dique não chorou.
Trazia na boca uma flor vermelha que largou na sepultura.

40 comentários:

Rogério Pereira disse...

Não sei se os cães, em vez de donos não deveriam ter "apenas" amigos. Por mim, nunca me senti dono de um cão. Acho que tu... também não.
(Não posso conferir. Não tenho teu livro ao pé...)

Mirian Martin disse...

Segundo mue filho, cães não choram, mas sentem profundamente, talvez mais profundamente do que muita gente.

familia restaurada disse...

A sensibilidade extrapola a condição humana. Os bichos (irracionais - ? - ) também amam...

folha seca disse...

Caro Eufrázio
Quase diáriamente, depois de dar uma volta pela "chafarica" para ver se está tudo bem. Venho dar uma espreitadela. Por vezes dou uma gargalhada, outras não consigo evitar uma lágrima. Ontem foi o LidaCoelho, com uma estória e um poema com rouxinóis que me comoveu. Hoje foi a tua estória que igualmente me fez soltar uma lágrima...também nós por vezes precisamos de um "murro no estômago"
Abraço

d'Alma disse...

Pois é!... Quando "uivar" é o mais fácil!... Mas haverá sempre um "cão", que sente!...
Tal como a Saudade no cão de barro!...
Valham-nos os cães que sentem e os cães sem dono!...




Abraço

mfc disse...

Um conto breve e lindo com um enorme significado.

OutrosEncantos disse...

na flor vermelha, o coração com as lágrimas. o Dique não chora à frente de ninguém.
gosto deste teu conto.
beijo.

antónio ganhão disse...

Somos cães sem dono sem direito a uma flor por epitáfio.

AC disse...

Poema pleno de significado, um louvor à dignidade da vida...

Abraço

Mel de Carvalho disse...

Não vale, meu amigo... quer, neste dia soalheiro, colocar a sua amiga aqui a chorar?
Este conto tocou-me profundamente quando o li pela primeira vez e, volvido este tempo ... "chorei com os cães" ... em cada flor vermelha que morre na planície que não é pão!

Deixo-lhe um beijo fraterno, um afago especial ao Dike (com K). Ele é um cão de verdade, de coluna que não verga a não ser para gestos enormes como este "Trazia na boca uma flor vermelha que largou na sepultura."

Mel

Torquato da Luz disse...

Outro belo poema, caro Filipe!

jrd disse...

E que outra flor poderia o Dique deixar na sepultura de um cão sem dono!?...

Sandra disse...

Certamente que nessa flor vermelha estava o seu coração sangrento e amargurado, enaltecendo a vida perdida de um amigo.
belo e tocante

ana disse...

Quando gostamos de animais eles fazem parte da família.
Sempre houve cães na casa dos meus pais, é uma tristeza quando desaparecem.
Não tenho cães mas gatos. Contudo, a sensação é a mesma que narra nesta história.
Boa noite, sem meia-noite!

BRANCAMAR disse...

Ah! Agora percebi que para além deste texto de grande dignidade animal, há realmente aquilo a que eu me referia atràs - "O caçador de relâmpagos".

Porque será que cada vez que pergunto uma coisa aqui ela acontece, ou melhor já aconteceu?
A humildade é grande quando a obra é basta, de há tanto anos que nem sonhavamos com blogues, de anos em que já sonhavamos com a liberdade e lutavamos por ela.

E este "Caçador de Relâmpagos" é de que ano? Na contracapa do "Para lá do Azul" diz - Inédito: "Caçador de Relâmpagos" (Contos a publicar), palpita-me que andam por aí. Também já vi que existem mais contos publicados em 1978 e eu que só me fixei na poesia. Santa ignorância!
Não devia ter esquecido certos apontamentos biográficos, afinal os contos e o romance já têm publicações com mais de 20 anos, para além de tudo que está antes e depois e que não precisam de estar aqui pendurados do lado direito para dizerem do teu valor.

Parabéns Eufrázio e obrigada pela partilha, porque és essencialmente um Homem de partilhas.

Obrigada
Branca

BRANCAMAR disse...

Peço perdão da troca do v pelo b em vasta e um erro de plural em tantos e emendo: A humildade é grande quando a obra é vasta, de há tantos anos que nem sonhavamos com blogues, de anos em que já sonhavamos com a liberdade e lutavamos por ela.

Beijinhos

anamar disse...

Pois-me a chorar, Eufrázio....
:((

OceanoAzul.Sonhos disse...

A flor vermelha que o Dique largou na sepultura tinha todo o choro no silencio e uma eterna despedida.

um abraço
oa.s

Maria João disse...

Não basta chorar a morte dos cães, mesmo de aqueles que não têm dono. É preciso dar-lhes a dignidade que merecem, mesmo depois de perecerem.
Dique sabe disso.
Nós também não o deveriamos esquecer!!

Um abraço

Fa menor disse...

Olha... comovente.
Fizeste-me lembrar quando o meu Deko se escapou para debaixo de uma ambulância de corrida e tivemos depois de chamar o veterinário para o abater, porque já nada havia fazer.
Bolas! tristes recordações...

Justine disse...

Belo e pungente e comevedor!

Flor de Jasmim disse...

Eufrazio
Comovente!!! Emocionei-me profundamente. Eu penso que não somos donos de nada. Nós temos um companheiro não somos donos dele, temos um filho não somos donos dele, assim é o mesmo com os cães. Por vezes o cão sente mais que própriamente muitos de nós homens.
Beijo

maceta disse...

Uma boa alma que se foi...

Canto da Boca disse...

bem que poderíamos aprender com eles...

Secreta disse...

O Dique não chora...mas tem nele, todos os sentimentos do Mundo...

Graça Pires disse...

Maravilhosa sensibilidade...
Um beijo, amigo.

pianissima disse...

"cão como nós"... como não sangrar se morre às nossas mãos, porque - nós como eles -.
abraço.

manuela baptista disse...

os rafeiros alentejanos são cães bons

esse tinha sentido de humor

se me atropelasse, apelidá-lo de camarada, seria a última coisa de que me lembraria

a primeira, é dizer-lhe que venha daí o (3)!


um abraço

manuela

Evanir disse...

Carinhosamente venho desejar
um feliz final de semana.
beijos no coração,Evanir.

Lídia Borges disse...

Gosto da expressão literária onde o imaginário se confunde com o real e o real com o imaginário.

Fez-me lembrar o anexim
"Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos cães"

Um beijo

Henrique Dória disse...

Eles, os cães, mais humanos que os homens. Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

a sensibilidade em alta.

comovida estou!

um beij

Cadinho RoCo disse...

Até os cães choram.
Cadinho RoCo

Sara disse...

Não é preciso choro para dizer o lamento. Mas é necessária acção para dizer humanidade.
Um abraço!

tecas disse...

Mar Aravel, conseguiu pôr-me a chorar. Amo os animais, considero o homem, animal irracional e não animal racional. Os exemplos dados pelos nossos grandes amigos, mostram que são mais racionais do que muitos seres humanos. O seu conto é de uma beleza comevedora e concordo com o primeiro comentador. Os animais não devem ter donos e sim amigos. Quem maltrata os animais, deveria ser castigado por lei e não um castigo faz de conta.Quem não crê que os cães choram, está está plenamente enganado. Eu sofri a morte de um gato que viveu comigo 21 anos e quando estava a morrer, as lágrimas caíam-lhe pelos olhos a olhar para mim, como se sentisse a morte e estivesse a fazer a despedida. Mais tarde, foi uma gatinha, com 12 anos, também chorou e tenho uma cadelinha com 14anos, ( uma rafeirinha), que se me vir triste ou doente, as lágrimas saltam-lhe pelos seus belos olhos. Só quem, não ama os animais, pode pensar que os animais não sentem como nós.Na flor vermelha uma lágrima de... Bem haja meu amigo, pelo seu excelente conto...espero que seja mesmo um conto...e não um conto real!!! Abraço amigo.

sandrafofinha disse...

Esta fotografia deixou-me em estado de pura alegria. Esse cãozinho devia estar cheio de puros e grandes sentimentos. Logo se vê pelo ditado o cão é o melhor amigo do homem. Mil beijos!!

Baby disse...

Só sei que me comoveste demais, já que o tema foi um cão, ainda por cima atropelado. Sei que às vezes é impossível evitar, mas há tantas outras vezes que não se evita por inércia...e nem sempre há um Dique para levar uma flor, seja ela branca, vermelha ou amarela.
És um bom contador de histórias.
Abraço.

Licínia Quitério disse...

Uma ternura de texto. Quando se ama os homens, não se pode ficar indiferente à dor dos cães.

joaquimdocarmo disse...

Caro amigo
Já estou ansioso pelo 3!...
"Pinte-o", não importa a cor!...
Abraço
Quicas

tb disse...

Um livro de ler e reler sempre com o mesmo prazer. e o cão sempre fiel.
Abraço.grande!