sábado, 8 de janeiro de 2011

ANTES QUE O INVERNO ACABE



Não fixes os olhos
onde desnascem pedras
e em bando se precipitam os pássaros

Vem afagar os cães
o coração dos meus barcos

deixa que abrupta a chuva caia
em desalinho rasgue neblinas
quebre silêncios

Recolhe os sons da água
e os latidos
até que se encham os cântaros
rebente de vez a indiferença
dos ranchos
vergados a decepar videiras

Deixa que tudo se mova
Vem amar esta terra
às mãos cheias
mesmo que a voz se deite em surdina
para mais tarde acordar
a partir do chão

Deixa que abrupta a chuva caia
de preferência com relâmpagos
para te incendiar a íris
o rancho se levantar
e as videiras ganharem força

Vem
antes que o Inverno acabe



43 comentários:

ana disse...

Melancolicamente a chuva não vai embora.
Virão no entanto os relâmpagos e as videiras irão ganhar força!
Abraço!

Keila Costa disse...

Coisa mais linda seus dizeres poesia!Tocam tão fundo em mim nesse instante...poesia é assim...
Abraços

Isa GT disse...

Desde que depois de acabar... volte outra vez no próximo ano..."No Problemo" ;)

Bjos

alice disse...

e mesmo assim parece tanto tempo até à primavera. a sede dos poetas tem de ser morta a tempo, não é verdade? :) um beijinho, eufrázio.

Há.dias.assim disse...

Precisamos de sol

Leonardo B. disse...

[arrebatadora a corrente, o sopro imaginado na palavra... vinco, sulco, rodopio em verso]

Um abraço,

LB

Valquíria Oliveira Calado disse...

Espero que ouçam esse chamado e vá antes que o inverno acabe, inverno a dois é romantico, hum .... vinho lareira, aconchego de abraço quentinho... não me chamaram, e como educada que sou,não iria sem convite,kkkk, quem sabe na primavera, rs, rs, ( riso triste).


Bom fim de semana com um inverno amarosto.

Lídia Borges disse...

Faz tanta falta "amar esta terra às mãos cheias"

"Antes que o Inverno acabe"... seria bom.

Um beijo

Maria Marluce disse...

Antes que o inverno acabe, tece os fios da saudade em teus poemas. Parabéns.

mdsol disse...

:))

jrd disse...

Paisagem e deslumbramento.

Rogério Pereira disse...

Poeta
Estou a teu mando
recolhendo os sons da água
e os latidos
até que se encham os cântaros
--
Irei
antes que o Inverno acabe

Mel de Carvalho disse...

Meu bom amigo,
por vezes, os terrenos estão tão doridos das águas a galope
que não permitem a sementeira

nem o cântaro dos olhos
suporta a água doce das lágrimas

é então que um sol de Inverno afaga a terra, "às mãos cheias", no ciclo ininterrupto de todas as coisas,

o oleiro gira a roda
fabrica o tempo que vem

uma cítara de barro
uma harpa
de cantar silêncios
"no coração dos barcos"

é então que tudo se suaviza

as primeiras folhas irrompem
o viço do olhos

o poeta tenta o poema
no recato dos verbos

"antes que o Inverno acabe."

Eufrázio, a sua poesia é bela, muito, muito, bela. Não me canso de lho dizer.

Bem-haja, gratidão pela partilha
Mel

Sara disse...

Um desafio ao torpor do desânimo.
Um clamor de esperança.
Muito belo.
Abraço.

Virgínia do Carmo disse...

Às vezes é mesmo preciso deixar que uma tempestade nos atravesse.

Para que em nós se esgote.

Um abraço

lino disse...

As videiras hão-de ganhar força mesmo com chuva.
Abraço

heretico disse...

aqui seremos, até que a videiras se façam vinho. do melhor arinto.

belas as paisagens que teces.
apesar do inverno.

abraço, caro Amigo
grato.

Canto da Boca disse...

Achei o convite tão irresistível que me parece impossível não brotar poesia e emoção de qualquer estado ou estação que lhe esteja a atravessar...

carlos pereira disse...

Caro Eufrázio;
Um poema maior. Excelente.
Gostei imenso.
Um forte abraço.

Maria João disse...

Há sempre uma espera no olhar que repousa entre a chuva que cai. Um olhar que apenas se realizará, brilhante, quando visível for a chegada de todas as sementeiras.

Um abraço grato, por mais um belo momento de poesia!

José María Souza Costa disse...

Belisimo poema. Admiravel
Passei aqui lendo o que tem pra ler. E observando o que tem para observar. E Exaltando o que tem de ser Exaltado. Estou lhe desejando um Tempo de Harmonia e de muita Inspiração. Entendo ter um blogue Agradavel, muito bom e Interessante. Eu, também tenho um. Muito Simplório por sinal. E estou lhe Convidando a Visitá-lo e, mais. Se possivel Seguirmos juntos por eles. Estarei Muito Grato esperando por Você lá.
Abraços de verdade e, fique com DEUS

poetaeusou . . . disse...

*
um belo poema,
antes e depois do Inverno !
,
saudações
*

Nilson Barcelli disse...

Somos o Inverno e o Verão.
Oscilamos como o pêndulo de Foucault...
Mas nunca mais para de chover...
Caro amigo, boa semana.
Abraço.

António R. disse...

Recolher os sons é quase tão difícil como incendiar a íris.

Maria Valadas disse...

Deslumbramento de palavras do poeta... que faz parar este meu tempo, para absorver este chamamento poético.

Beijo.

Maria

hfm disse...

O inverno volta sempre, meu amigo.

Gisela Rosa disse...

"Vem
antes que o Inverno acabe"

É lindo o seu poema, gosto muito da sua escrita. Virei mais vezes "incendiar a íris", "antes que o Inverno acabe"...


Muito obrigada pelo seu comentário na Matriz, Gisela

© Piedade Araújo Sol disse...

um poema que me deixou suspensa, nas palavras.

até me comoveu...

vem afagar os cães e o coraçao dos meus barcos...

simplesmente talentoso.

um beij

São disse...

Tanta coisa desnasce neste jardim à beira mar desterrado...

Um feliz 2011.

Justine disse...

De como se fala de esperança pelo lado de dentro, com a poesia a chamar a coragem!Muito belo

SILÊNCIO CULPADO disse...

Antes que o Inverno acabe nós estaremos aqui.
Cederemos ao teu apelo e sentiremos a autenticidade dos dias, que apesar de Invernosos, ou talvez exactamente por o serem, aproximarão as pessoas da sua natureza.
Abraço

Licínia Quitério disse...

Longo e cruel este inverno em que aguardamos que as videiras se alevantem e o vinho novo nos aqueça.

Muito belo poema, como sempre.

José Carlos Brandão disse...

A chuva que pedimos nos afoga.
Pelo menos morremos nuntos.
Amanhã ressuscitaremos.

Abraços.

JPD disse...

Belo poema.
A água faz muita falta.
É bom que os lençóis freáticos fiquem cheios para o der e vier no Verão.
Um abraço

Teresa Durães disse...

deixa que a natureza te trague

Sônia Brandão disse...

Bendita chuva!

bj

Sonhadora disse...

Meu querido Poeta

Passando para agradecer o carinho das suas palavras e a receita do chá.

Beijinho
Sonhadora

Graça Pires disse...

A música da chuva quebra o silêncio no coração dos barcos.
Antes que o inverno acabe alguém virá "amar esta terra às mãos cheias"... Muito belo!
Um beijo, amigo.

intimidades disse...

magnifico

Beijos
Paula

tulipa disse...

Eu direi:
antes que a minha vida acabe!

Meu amigo, peço desculpa pelo meu desabafo.

Hoje o meu post é sobre um cemitério, ia fazer uma crónica de viagem que tenho estado a preparar, mas perdi a vontade...

Não sei se poderei continuar a dar-vos boas fotografias e posts bonitos, porque:
Ando muito por baixo, não imaginas a minha vida.
HOJE o m/marido disse-me assim:
Prepara-te que um dia destes, acontece-te o mesmo que aconteceu ao C.C., limpo-te o sebo!
Achas que é fácil viver assim; é uma tortura psicológica diária.
Vivo debaixo de muitos nervos e em pânico.
Avisei-o que iria dizê-lo publicamente para que, caso algo me aconteça, saibam aquilo que ele me ameaçava.
Enfim, Amigo.
Um conselho meu: aproveita a vida junto de quem te "merece", porque este não me merece, com toda a certeza.
Beijos meus.

partilha de silêncios disse...

Belo poema.Cá estou, antes que o inverno acabe, para amar esta terra de mãos cheias, é urgente esta reconciliação com a vida e a natureza.

bjs

Anónimo disse...

Que belo poema, Eufrázio!
Sublime!...
Parabéns!
...
Ir
antes que o inverno acabe
com chuva
relâmpagos...

Ir
em qualquer tempo
contemplar as videiras
os pássaros
os cães
os cântaros de barro
a luz
o pôr do sol
a natureza
tão sublime como o teu poema

Ir...

princesa

flor de jasmim disse...

Eufrázio
Lindo antes e depois do Inverno.
Beijinho