sábado, 9 de agosto de 2008

AVES QUE SE LEVANTAM

ÓLEO DE OLBINSKI

A erosão do movimento

gera novos movimentos

no espaço

neste chão de asas

tão leve

que já nem o ar que se respira

sente os seus passos

Chamo por ti

simplesmente chamo

e tu vens

Só não sei quem és

e isso para mim já é tanto

A erosão do movimento

gera novos movimentos

mesmo nos rios cansados

Repara bem

onde se movem as águas

estão sempre a cair aves

que se levantam

19 comentários:

mariam disse...

fantástico!

e não é que ler este poema só me faz lembrar a blogosfera! que coisa!

"Chamo por ti

simplesmente chamo

e tu vens

Só não sei quem és

e isso para mim já é tanto"


bom fim-de-semana
um grande sorriso :)

(pronto, pode rsrsrsrs à vontade!)

mdsol disse...

Gostei muito! "Brica" bem com as imagens!
E não tenho muitas mais palavras.
O óleo também é muito interpelante.
:)

dona tela disse...

O Verão tem destas coisas...

Justine disse...

E novos movimentos criam outros novos movimentos,que criam outros tantos novos movimentos, numa espiral infinita e insondável como o tempo ou o espaço.
Perturbante

Licínia Quitério disse...

e caem e levantam-se e tornam a cair e de novo se erguem e...

assim nós, as aves...

abraço

Bandida disse...

..."Repara bem

onde se movem as águas

estão sempre a cair aves

que se levantam".


belo de tão movimento. de tão chão.



beijo

Isabel-F. disse...

mais um belo poema que adorei ler...



boa semana

Graça Pires disse...

O voo das aves. Os nossos voos...
Gostei muito do poema. Um abraço.

Teresa Durães disse...

a pedra que se solta no lago e gera o ondular das ondas

samuel disse...

E assim continuará a ser... cada movimento viverá noutro... e outro... mesmo nos rios cansados.

Abraço

Caçadora de Emoções disse...

Nem sei o que acrescentar. Já tanto foi dito...
Acabei por perder-me no poema e na sua teia de movimentações.

Doce abraço e sorrisos da cor do arco-íris,

Donagata disse...

E eu serei uma dessas aves que se ergue do movimento das águas e responde quando é chamada...

Boa semana.

mundo azul disse...

...sim! Movimentos geram novos movimentos...

É lindo o seu poema! Um prazer vir aqui...

Beijos de luz e o meu agradecimento pela tão gentil visita!

hfm disse...

O eterno movimento das palavras poéticas!

Caçadora de Emoções disse...

Tudo de bom. Boas férias...

Abraço doce,

jrd disse...

Da Dialéctica da poesia, da vida, da luta.
Muito bom!

vermella disse...

O movemento das súas palabras da paso ao agradecimiento das miñas.
gustoume moitísimo.
beijo.

Sérgio Ribeiro disse...

Saboreando a beleza formal, protesto: rios cansados?
Estou a ler: De rios velhos e guerrilheiros - o livro dos rios, do Luandino Vieira, vê lá tu!
Só para te deixar um abraço

Mar Arável disse...

Meu caro Sérgio

de facto os rios cansados existem

e as aves que se levantam também

abraço-te