quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

UM RISCO NO AR


Vincent Van Goug




Quando as árvores se inspiram


soltam pássaros


que poisam no nosso olhar





É como respirar um sopro de silêncio


nos teus lábios


e só depois ver desaguar


um rio lento





Quando as árvores se inspiram


soltam folhas faúlhas e asas


que os olhos lambem devagar





É como fazer um risco no ar


e só depois reconhecer


o fio de seda que resiste ao vento


contra o vento


17 comentários:

un dress disse...

e nele se suspender na luz do

a(o)caso...

Maria Laura disse...

Palavras de uma leve beleza. Uma poesia que nos toca.

BIA disse...

Ah, a tua expressividade poética...comove-me!

Quando as árvores não soltam pássaros, acolhem-nos a esvoaçar por entre as suas asas verdes, que bandarilham o vento!

Abraço-te de peito aberto

BIA

Maria P. disse...

Belíssimo!


Bjs*

CCF disse...

Que belos riscos no ar!
~CC~

gabriela r martins disse...

versos loucos

num poema belo

resistente ao vento

em vaza mar

.
.
um beijo

isabel mendes ferreira disse...

e assim risca sobre o mar

a subtil teia
do ser.



maior.


.


_____________.

Joaquim Amândio Santos disse...

tudo o que o tempo quebra não se esmaga em cinzas.
nunca desfeitas, nem pedaços ocos.

pontos migratórios do querer. para lá.
onde o pensamento reside na ventura do acontecer!

Graça Pires disse...

As árvores. Os pássaros. O vento.
Nada falta ao poema, nem a emoção.
Um abraço.

herético disse...

invisíveis os fios. com que se tece resitências. no vento que passa...

abraço

Mateso disse...

Palavras soltas,breves e leves.
Lindíssimo !
Beijo.

Gi disse...

Palavras suaves . Delicadas como o fio de seda de que falas. Foi o vento que mas trouxe. Uma brisa suave . Marítima talvez? :)

Um beijinho

Bichodeconta disse...

A foto é simplesmente expectacular , e axompanha um belo poema.. beijinhos

Maçã de Junho disse...

E fico quieta, a ignorar essa brisar que parece querer levar o cheiro da minha pele...

Bom fim de semana cheio de sol
M

nana disse...

e ler-te....

ler-te eh respirar o olhar
que reconhece
o que.









x

gaivota disse...

o pintor de eleição, que me faz recordar Holanda, Amesterdam...
o poema todo enquadrado na tela que apresentas!
as árvoras, os pássaros, o sol, o vento,
e o fio de seda resiste, contgra o vento...
beijos

pin gente disse...

escrever com fios de seda
pura
para que o vento
leve
leve as palavras
soltas
soltas na cor do fio
branco
branca a tela no final
feliz