sábado, 15 de setembro de 2007

A NUDEZ DOS LÁBIOS

"Bocage e as ninfas"oleo de Fernando Santos








Também aqui o irrepetível espelho



se revela em florações liquefeitas



caminhando como nós por sobre as pedras



enquanto nos olhos da velha araucária



sabe-se lá porquê



uma ave de outras bandas



descarnou aquela que julgava ser



a última pétala da marginal





Também aqui as árvores teimam



projectar sombra



no tracejado solar das marés



enquanto um frémito cintilante



nos dá alento para surpreender



a nudez do primeiro orgasmo





precisamente onde a água se abandona





para os lábios






18 comentários:

nana disse...

e a nudez se abandona à água.

..

un dress disse...

onde a água se eterniza

e floresce memória...



:)




beijO

Mateso disse...

Parafraseando Luís Vaz"... onde o mar acaba e a Terra começa..." será por aí, talvez que os lábios se entreabrem ávidos numa sucção que ainda não chegou... ou talvez já tenha acabado. Quem sabe?

Marcante , o poema.
Bj.

herético disse...

"florações liquefeitas"... água como frémito. muito bem.

Anónimo disse...

tb aqui.



projectada a sombr. porém visível.




tb aqui. A palavra.

iluminada. de marés.


beijo.


/piano.

Sophiamar disse...

Imagem e poema, sintonia perfeita.
A palavra liquefeita nos lábios entreabertos para o amor.
beijinhos

C Valente disse...

A poesia comanda muito bem
bom inicio de semana
saudações amigas

jrd disse...

A água vai e vem. Só a sede é eterna.

Maria disse...

... precisamente onde a água se abandona....
aqui!

Abraço

Anónimo disse...

obrigada.



mesmo.



beijo.

Zénite disse...

oceano de espelhos
intenso e transparente
por entre a claridade solar do desejo.


Belo!

aquilária disse...

"frémito cintilante":
entre a dor e o êxtase, um tronco de astros, afundando-se na terra...

Teresa Durães disse...

há aves tramadas!!

gostei

Licínia Quitério disse...

as estrelas na água e a avidez nos lábios

hfm disse...

Belo e os dois últimos versos são de uma poesia muito forte.

Entre linhas... disse...

Uma sombra rarefeita pelo êxtase da água numa nudez incassiável.
Bjs Zita

Bandida disse...

surpreender é isso. tem que ser assim o tracejado.
absolutamente belo este teu poema.


beijo mararavel.


B.

Gi disse...

Cheguei aqui através do cheiro da Ilha mas , olhando para cima, há excepção de dois, podia ter chegado pela mão de qualquer um. Foi um prazer passear por aqui. Entre as palavras.

Beijinho e bom dia